EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Conservadores e extrema-direita reunidos na Polónia

Conservadores e extrema-direita reunidos na Polónia
Direitos de autor Adam Jankowski/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Adam Jankowski/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Antes do encontro, Marine Le Pen homenageou as vítimas do Gueto de Varsóvia

PUBLICIDADE

Marine Le Pen está na capital polaca para participar no encontro de partidos conservadores e de extrema-direita da Europa.

A "União Nacional" é um dos 15 partidos que em julho assinaram uma declaração conjunta para criar "um grupo" no Parlamento Europeu, onde atualmente estão divididos em dois blocos distintos.

Na chegada à Polónia, Le Pen prestou homenagem às vítimas do Gueto de Varsóvia, um gesto inesperado para um líder acusado de anti-semitismo.

Em declarações aos jornalistas, mostrou otimismo em relação ao encontro deste sábado e deu o exemplo da Polónia, um país que segundo a candidata às presidenciais francesas “resistiu mais uma vez à chantagem e às ameaças da União Europeia”. Para Le Pen, o exemplo polaco mostra que só o esforço comum pode fazer com que o bloco volte atrás nos temas mais fraturantes.

Além de Marine Le Pen e do líder da Liga italiana, Matteo Salvini, que não estava entre os signatários da declaração de julho mas está presente em Varsóvia, fazem parte desta aliança o primeiro-ministro húngaro (Fidesz), Viktor Orbán, ou o líder do PiS da Polónia, Jaroslaw Kaczynski.

O presidente do Vox em Espanha, Santiago Abascal, e o responsável do partido Fratelli d'Italia, Giorgia Meloni, também são esperados na reunião.

“Este é um trabalho de longo prazo para conseguir reunir todos os movimentos políticos. Leva tempo”, salientou Le Pen, que considera o encontro em Varsóvia como “um passo importante”.

Os partidos que assinaram a declaração em julho apontam para a necessidade de “uma reforma profunda da UE e temem a “criação de um superestado europeu”.

A Polónia e a Hungria são ameaçadas por um mecanismo que permite suspender o pagamento de fundos europeus em caso de violação dos princípios do Estado de direito. Em causa, estão processos judiciais recorrentes com Bruxelas sobre o respeito de valores considerados fundamentais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marine Le Pen mantém liderança da União Nacional

Partidos de Le Pen e Salvini dão impulso à direita populista

Divisão entre direita e centro-direita na Polónia pode dificultar coligação conservadora na UE