EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

ONU pede 4,4 mil milhões de euros para combater crise no Afeganistão

ONU pede 4,4 mil milhões de euros para combater crise no Afeganistão
Direitos de autor Mstyslav Chernov/AP
Direitos de autor Mstyslav Chernov/AP
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É o maior apelo de sempre feito pela organização

PUBLICIDADE

A organização das Nações Unidas está a pedir 4 mil e 400 milhões de euros para combater a crise humanitária que se vive atualmente no Afeganistão.

É o maior apelo de sempre feito pela ONU para ajudar um país que está perto do colapso.

Segundo dados das Nações Unidas, mais de 13 milhões de crianças precisam de comida, de casa e de cuidados médicos para sobreviver.

Fiona McSheehy, responsável pela "Save the Children" no Afeganistão, diz que tem piorado. 

"Duas em cada três crianças precisam desesperadamente de ajuda humanitária, e isso representa um aumento de mais de um terço desde o início do ano passado", conta Fiona. 

"Estamos a ver filas nas nossas clínicas móveis com cada vez mais pacientes que apresentam desnutrição e pneumonia e vemos adultos com desnutrição também.", conclui. 

Desde que os talibãs tomaram posse, a economia entrou em turbulência. Vários países aplicaram sanções ao Afeganistão, principalmente os EUA, com o congelamento de ativos.

Sem dinheiro, tudo falha, incluindo o sistema de saude do país, que já não responde às necessidades.

Em pleno inverno, as plantações não existem e apoios do novo regime também não. A britânica "Save the Children" tem distribuído alimentos, roupas e cobertores. A ONU quer garantir que as ajudas chegam a quem precisa e não caiem nas mãos dos talibãs.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Colapso mediático no Afeganistão

Terramoto no Afeganistão pode ter feito 3 mil mortes, dizem autoridades talibãs

Bósnia-Herzegovina: marcha em memória do massacre de Srebrenica junta 6.000 pessoas