EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Saúde e Impostos preocupam portugueses em véspera de eleições

Saúde e Impostos preocupam portugueses em véspera de eleições
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Ana Serapicoseuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os eleitores portugueses são chamados às urnas para as legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

PUBLICIDADE

Saúde e impostos são algumas das preocupações dos eleitores portugueses em véspera de eleições antecipadas.

A euronews recolheu os testemunhos de eleitores insastifeitos com a situação atual. "Conseguiu-se perceber que efetivamente há muita miséria e que aquilo que é feito em termos sociais no nosso país é pouco ou quase nada”, disse à euronews Ana Antunes.

“No início, a gente até podia dizer: ninguém estava preparado para a pandemia. Mas, dois anos depois, continuarmos a perceber que os médicos continuam sem condições de trabalho, que os centros de saúde continuam inoperacionais", acrecentou Ana Antunes.

"As pessoas estão chateadas, ou seja, sentem-se desiludidas, porque acham que este governo não foi capaz de dar, na altura certa, as respostas que era preciso dar", afirmou Ricardo Machado. E acrescentou: "O que eu acho que vai acontecer é que o Partido Socialista vai ganhar com maioria relativa e acho que o António Costa vai ter de se entender à direita e não à esquerda”.

Pandemia agrava situação económica do país

Alguns eleitores consideram que o resultado das eleições não vai alterar a situação do país. "Em princípio, isto vai-se manter, mais coisa, menos coisa, isto vai continuar", afirmou Veríssimo Morais, dono de um restaurante em Lisboa.

A falta de turistas devido à pandemia de Covid-19 penalizou o comércio e a restauração, setores essenciais da economia portuguesa.

"Trinta anos de trabalho, dois anos para esquecer", desabafou António Sousa, dono de um restaurante na capital. E acrescentou: "Temos uma sobrecarga de custos enorme. Temos que ter custos pequenos. Somos pobres. Temos que gerir bem".

As eleições legislativas portuguesas decorrem a 30 de janeiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

SNS precisa de mais 200 obstetras, diz chefe da Comissão de Acompanhamento

Como a direita populista do Chega cresce em Portugal

Berlinenses querem casas a preços acessíveis