EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Os voluntários americanos que vêm lutar ao lado da Ucrânia

Justin Dee, voluntário americano
Justin Dee, voluntário americano Direitos de autor Efrem Lukatsky/The Associated Press
Direitos de autor Efrem Lukatsky/The Associated Press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Repórter Anelise Borges falou com recrutas estrangeiros da Legião Nacional da Geórgia

PUBLICIDADE

Após a mobilização russa junto à fronteira com a Ucrânia, os Estados Unidos decidiram enviar contingentes de soldados. Mas não são apenas tropas americanas a chegar à Europa.

A Ucrânia está na linha da frente da luta pela democracia. Se a Rússia conseguir dominar a Ucrânia, não vai ficar por aí.
Justin Dee
Voluntário americano

"Tenho acompanhado este conflito desde 2014, quando a Federação Russa anexou a Crimeia ilegalmente. A partir daí, comecei a ver os russos a interferirem cada vez mais noutros países, a meterem-se onde não devem. Como percebi que ia começar tudo outra vez na Ucrânia, decidir vir para cá ajudar a população", conta-nos Justin Dee.

Justin é um dos voluntários americanos que integrou a recente mobilização estratégica para o leste da Europa. Veio de Nova Iorque para juntar-se a uma luta que, salienta, tem implicações a nível mundial.

"A Ucrânia está na linha da frente da luta pela democracia, pela ideologia ocidental. Se a Rússia conseguir dominar a Ucrânia, não vai ficar por aí. Vai continuar até manipular todos os líderes globais, até torná-los marionetas. Estou aqui para impedir que isso aconteça", diz-nos.

E a forma que tem de o fazer é incorporar a chamada Legião Nacional da Geórgia, uma unidade paramilitar que luta ao lado dos ucranianos na região do Donbass.

"Há uma semana, começámos um novo recrutamento de estrangeiros. Há muita gente a candidatar-se. Temos mais de 300 candidatos da Geórgia, a seguir dos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Itália, Alemanha... são os países de onde vêm mais voluntários para a legião georgiana", afirma Mamuka Mamulashvili, membro da Legião Nacional Ucraniana.

Oficialmente, o Ministério da Defesa da Ucrânia não se pronuncia sobre os combatentes estrangeiros que vêm ajudar o país. Mas não esconde que todo o apoio militar formal é bem-vindo. Justin acredita que muitos mais irão juntar-se à causa ucraniana.

"Espero que a minha presença ajude a veicular a mensagem de que o mundo não vai ficar de braços cruzados, que mesmo sem o apoio oficial dos governos, há cidadãos que vão lutar pelo que é justo", conclui Justin.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pentágono promete envio imediato de armas à Ucrânia, se financiamento for aprovado

Zelenskyy promulga lei controversa para mobilizar mais militares para a guerra

Lloyd Austin compromete-se com mais ajuda à Ucrânia