"Esta guerra não é nossa": Ucranianos defendem paz à beira de conflito armado com Rússia

"Esta guerra não é nossa": Ucranianos defendem paz à beira de conflito armado com Rússia
Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O conflito armado com a Rússia pode estar iminente, mas na Ucrânia há quem deseje outro desfecho. Com familiares dos dois lados da fronteira, dizem que a vontade de entrar em guerra é dos políticos, não da população.

PUBLICIDADE

A aparente tranquilidade de uma vida normal na cidade costeira de Mariupol, este sábado, não espelhava a atualidade da região no leste da Ucrânia, onde os líderes separatistas ordenaram a total mobilização militar.

Nas aldeias próximas, o trabalho dos agricultores prosseguiu mesmo após várias explosões à distância terem soado durante a noite.

Vladimir vive numa dessas localidades, em Lebedynske. Agricultor de profissão, demarca-se das decisões que têm encaminhado o país para um iminente conflito com a Rússia.

"O que podem eles fazer? Deviam sentar-se e ter uma conversa como seres humanos. É assim tão difícil? Tenho parentes do outro lado, a minha mulher tem familiares em Lviv. É suposto lutarmos, dividirmo-nos? Esta guerra não é nossa, esta guerra é dos políticos e nós é que sofremos", lamenta.

Vadim Ghirda/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Criança debate-se com remoção de munições de um carregador durante treino de combate para civis, organizado por forças ucranianas, em MariupolVadim Ghirda/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

A escalada de violência dos últimos dias entre as forças ucranianas e os rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia não matou a esperança numa solução pacífica para o conflito, a quem vive a quilómetros de distância.

Em Kiev, onde agora vive, Alona diz tentar "manter a calma e não entrar em pânico". Mas, enquanto originária de Carcóvia, está preocupada com a família que deixou na cidade natal. A esperança, acrescenta, é de "que a situação melhore e se torne mais tranquila".

Também na cidade se deseja um caminho para a paz diferente daquele que tem sido seguido pelos políticos.

Para Victoria, também a residir na capital ucraniana, a atual tensão deve-se a "propaganda criada artificialmente", não hesitando em afirmar "somos pela paz em todo o mundo".

Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Civis treinam com grupo paramilitar Legião Nacional da Geórgia, em Kiev, UcrâniaEfrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

Mas em Kiev há quem já se prepare para o conflito. A Legião Nacional Georgiana, um grupo paramilitar de voluntários formado em 2014 para combater as agressões da Rússia contra a Ucrânia, está a ensinar mulheres a defender-se no cenário de guerra.

Mamuka Mamulashvili, comandante da legião, diz que serão treinados em Kiev 3.000 voluntários.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vladimir Putin reconhece independência de regiões separatistas na Ucrânia

Forças especiais ucranianas dão formação de defesa militar a civis em Mariupol

Pelo menos 13 mortos e 61 feridos em ataque russo à cidade ucraniana de Chernihiv