EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Violência entre bandos rivais aumenta em Madrid

Violência entre bandos rivais aumenta em Madrid
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Autoridades espanholas estimam que Madrid, pelo menos 2500 pessoas fazem parte dos sete bandos que operam na região. Acredita-se que 1700 sejam menores de idade, com crianças a juntarem-se a estes grupos com apenas 11 anos.

PUBLICIDADE

Jaime Guerrero morreu depois de ter sido esfaqueado no centro de Madrid. O jovem de 15 anos é a mais recente vítima da violência entre grupos latino-americanos rivais em Espanha.

Cada vez mais jovens são atraídos por estes bandos. De acordo com os números das autoridades, cerca de 40% dos seus membros têm menos de 18 anos. Só, no último ano, pelos menos 130 jovens com ligações a estes grupos foram detidos pela polícia de Madrid.

Artur saiu do bando "Latin Kings" há seis anos... Não revela a identidade com medo de retaliações. O jovem aderiu ao grupo quando tinha apenas 14 anos e cometeu o primeiro crime antes dos 15.

Artur revela que "Quando se entra para os Latin Kings, é preciso passar por uma prova. Esta iniciação envolve o esfaqueamento de alguém de um bando rival. A intenção dos adultos, aqueles que têm 18 ou 19 anos de idade, é utilizá-los para os crimes que querem cometer, porque os menores nunca cumprirão uma pena de prisão."

Os jovens aderem aos grupos, atraídos pelo poder que estes demonstram ter, pelo vestuário e pela música. Uma subcultura que está a ganhar cada vez mais espaço nas redes sociais.

"Os bandos latinos-americanos usam os telemóveis como campo de batalha. Vêem-se uns aos outros no Tik Tok, e depois matam-se nas ruas", relata o jornalista da euronews Jaime Velázquez.

Alberto Díaz, e a sua igreja, ajudaram já vários jovens a abandonar a vida de crime. O pastor notou que durante a pandemia e os confinamentos, o número de novos recrutas aumentou consideravelmente.

"Estivemos bastante tempo sem serviços sociais básicos como, por exemplo, a escola . As crianças passaram muito tempo nos telemóveis e computadores e foram expostas a conteúdos de grupos latino-americanos, e quando puderam sair, novamente, para as ruas, a semente já estava plantada", conclui.

As autoridades espanholas redobraram esforços para conter ao crescimentos dos bandos latino-americanos, mas os especialistas insistem que é necessário trabalhar-se mais na prevenção, pois, dizem que é muito fácil entrar para um bando, mas é muito difícil sair dele.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel

Vitória socialista nas eleições catalãs põe fim ao domínio pró-independência

Novo aeroporto em Alcochete vai chamar-se Luís de Camões e Alta Velocidade está a caminho