This content is not available in your region

Inglaterra muda regras de combate à covid-19 a partir de quinta-feira

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Inglaterra muda regras de combate à covid-19 a partir de quinta-feira
Direitos de autor  Tolga Akmen/AP

As restrições sanitárias têm os dias contados em Inglaterra. Boris Johnson diz que é tempo de "viver com covid" e agir. Agora que, de acordo com o primeiro-ministro britânico, o pico da Ómicron já passou, novas medidas vão ser aplicadas nos próximos dias .

"Em Inglaterra, vamos eliminar todas as restrições domésticas que permanecem em vigor. A partir desta quinta-feira, deixará de ser obrigatório por lei o auto-isolamento em caso de teste positivo. Vamos também terminar o apoio financeiro ao auto-isolamento, embora o subsídio de doença ainda possa ser reclamado por mais um mês", anunciou, esta segunda-feira, o líder do governo britânico.

A partir de 1 de Abril, apenas os grupos de risco e os prestadores de cuidados de saúde vão ter direito a testes gratuitos.

O abandono das restrições, surge após, na semana passada, o gabinete de Estatísticas do Reino Unido (ONS) ter estimado que, em Inglaterra, uma em cada 20 pessoas tinha covid-19.

Europa flexibiliza medidas sanitárias

Também o resto da Europa vai flexibilizando as medidas sanitárias impostas durante a pandemia.

Enquanto em Portugal as máscaras caem em discotecas e bares, mas o uso permanece obrigatório nas salas de aulas.

Na Bélgica, as crianças entre os 6 e os 12 anos vão deixar de ter de as usar. A cidade de Lille, no norte de França, prepara um regresso às aulas de cara destapada.

Na Bulgária, a partir de meados de março, quem quiser ir a restaurantes, centros comerciais e outros espaços públicos já não vai ter de apresentar um certificado de vacinação ou teste negativo.

Pouco a pouco, os países vão com alguma prudência deixando cair as medidas que nos últimos dois anos restringiram populações inteiras, após as primeiras infeções por coronavírus fora da Ásia terem sido confirmadas em Itália. Desde entâo, no país, mais de 150 mil pessoas morreram com covid-19.