This content is not available in your region

Ucranianos passam fim de semana em abrigos subterrâneos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Ucranianos passam fim de semana em abrigos subterrâneos
Direitos de autor  Vadim Ghirda/Associated Press

A repórter da Euronews, Sasha Vakulina, está na capital da Ucrânia e faz-nos um relato do quotidiano dos residentes na cidade, nestes dias de angústia e medo.

"O domingo foi marcado por um recolher obrigatório geral em Kiev. Os residentes da capital ucraniana foram informados, no sábado à tarde, para não sairem à rua entre as 17 horas de sábado e 8 horas da manhã de segunda-feira, a menos que tivessem uma autorização especial, o que, é claro, seria um caso excecional.

Assim, as pessoas ficaram dentro de casa, na sua maioria em abrigos, caves ou o que quer que tenham encontrado.

Muitas pessoas ainda se encontram nas estações de metro. Não há transportes, os transportes públicos não funcionam em Kiev por estes dias, mas o metro está aberto para acolher o povo.

Volodymyr Zelenskyy disse que as ações dos invasores em Karkiw, Odessa ou outras cidades e aldeias merecem o julgamento de um tribunal internacional. Também anunciou no domingo que a Ucrânia tinha apresentado formalmente um pedido contra a Rússia ao Tribunal Internacional de Justiça: "A Rússia deve ser considerada responsável pela manipulação do conceito de genocídio para justificar a agressão", disse.

Os combates intensos continuam em toda a Ucrânia, especialmente em grandes cidades como Karkiw e Kiev. As sirenes estão a tocar muito frequentemente, aqui na capital e em outras cidades. As pessoas estão apenas a tentar refugiar-se e a reunir-se para se apoiarem umas às outras. Foi-lhes dito para arranjarem cobertores, comida e água para se aguentarem até segunda-feira de manhã e já viram como a sociedade ucraniana é solidária.

Muitos estão a ajudar com provisões e tudo o que for necessário para partilharem com os seus concidadãos, que agora se escondem para proteger as suas vidas e procuram abrigos, em toda a Ucrânia".