This content is not available in your region

Maternidade em Mauripol bombardeada em ataque aéreo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Maternidade em Mauripol bombardeada em ataque aéreo
Direitos de autor  Evgeniy Maloletka/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

Uma maternidade em Mariupol foi alvo de um ataque aéreo russo, esta quarta-feira. De acordo com as autoridades ucranianas, o bombardeamento fez 17 feridos. Mas as buscas por vítmas prosseguem entre os escombros.

Com a fachada do edifício praticamente destruída, polícia e soldados apressaram-se a retirar do local várias mulheres grávidas transportadas em macas.

A ofensiva russa foi levada a cabo durante um período de cessar-fogo decretado para que civis pudessem abandonar a cidade.

Volodymyr Zelenskyy recorreu ao Twitter para responsabilizar as tropas russas pelo ataque e perguntar "Durante quanto mais tempo é que o mundo vai ser cúmplice e continuar a ignorar este terror?". Na mensagem publicada na rede social, o presidente ucraniano apela mais uma vez ao Ocidente para fechar o espaço aéreo do país aos aviões russos.

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, denuncia "ataque aéreo de tropas russas* em Mariupol

Sem precisar como, o primeiro-ministro Boris Johnson respondeu, também no Twitter, que "o Reino Unido está a explorar mais apoio à Ucrânia para se defender contra os ataques aéreos" e que Putin será responsabilizado pelos seus crimes.

Primeiro-ministro britânico condena ataque a Mariupol, com a "hashtag" em inglês "Putin deve cair"

Mariupol encontra-se cercada pelas tropas russas. Na cidade portuária, alerta um deputado ucraniano, existem mantimentos para três dias. Caso a Rússia continue a impedir a abertura de um corredor humanitário, estima-se que, depois desse prazo a população comece a passar fome.