This content is not available in your region

O fogo não vai cessar na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Dmytro Kuleba, ministro ucraniano dos Neg´ócios estrangeiros, recebido pelo homólogo turco, Mevlut Cavusoglu
Dmytro Kuleba, ministro ucraniano dos Neg´ócios estrangeiros, recebido pelo homólogo turco, Mevlut Cavusoglu   -   Direitos de autor  Cem Ozdel/AP

Nem um passo em frente. As conversações diplomáticas entre Ucrânia e Rússia mudaram de cenário, mas não foi o acolhimento em Antalya, na Turquia, que ajudou a desatar o nó que bloqueia os corredores humanitários.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros de ambos os países participaram, esta quinta-feira, no que pode chamar-se de primeira ronda de conversações de paz sob os auspícios do governo de Ancara.

Não fizemos nenhum progresso. Parece que quem decide sobre a matéria [o cessar-fogo] está na Rússia.
Dmytro Kuleba
Responsável diplomático ucraniano

Dmytro Kuleba, responsável diplomático ucraniano, voltou a dizer que Kiev não cede à exigência de rendição, condição que atribui a Moscovo para que as ofensivas cessem.

"Levantámos a questão do estabelecimento de um cessar-fogo de 24 horas para tratar das questões humanitárias mais urgentes. Não fizemos nenhum progresso. Parece que quem decide sobre a matéria está na Rússia", declarou.

Kuleba repetiu que a situação em Mariupol é devastadora. Mas o homólogo russo, Sergei Lavrov, disse antes que Moscovo nunca mais irá confiar no Ocidente e que o perigo está no abastecimento de armas à Ucrânia.

Aquilo que perguntamos aos nossos colegas da União Europeia é: onde é que irão parar os milhares de sistemas antiaéreos portáteis?
Sergei Lavrov
Ministro dos Neg. Estrangeiros russo

Na conferência de imprensa final, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros considerou que os fornecimentos de armas ocidentais à Ucrânia eram "perigosos".

"Aqueles que estão a deitar armas na Ucrânia devem, evidentemente, compreender que serão responsáveis pelas suas ações", disse Sergei Lavrov, denunciando também o recrutamento de "mercenários" estrangeiros.

"Aquilo que perguntamos aos nossos colegas da União Europeia é: onde é que irão parar os milhares de sistemas antiaéreos portáteis? Não há resposta sobre quem irá controlar isto, nem quando é que estarão interessados em terminar a política, desenvolvida ao longo de vários anos, de tornar a Ucrânia numa ameaça para a Federação Russa", prosseguiu.

Lavrov acrescentou que a maternidade atacada em Mariupol era, afinal, uma base terrorista. E referiu que Vladimir Putin está finalmente disposto a encontrar-se com Volodymyr Zelenskyy. A condição? Que o encontro traga, citamos, "uma mais-valia" para Moscovo.

As conversações em Antalya são as primeiras de alto nível entre os dois países desde que a Rússia invadiu a Ucrânia há duas semanas. O chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, disse que o objetivo da reunião era preparar o caminho para um encontro entre os presidentes russo e ucraniano que seria facilitado pelo presidente da Turquia.