EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

População desespera em Mariupol

População desespera em Mariupol
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A cidade ucraniana é uma das mais atingidas pela guerra. Com as infraestruturas destruídas, as vítimas começaram a ser enterradas em valas comuns

PUBLICIDADE

Do sul da Ucrânia continuam a sair autocarros de ajuda humanitária com destino a Mariupol. A cidade portuária, no leste do país, está cercada pelas tropas da Rússia e é alvo de ataques há mais de uma semana. Há falta de água e de alimentos e não há eletricidade. As autoridades acusam o exército russo de crimes de guerra e dizem que o cerco deixou cerca de 1300 civis mortos. Esta quarta-feira, um hospital pediátrico foi bombardeado. Com as infraestruturas destruídas, as vítimas começaram a ser enterradas em valas comuns.

Tania Bondar espera na fila para encher um garrafão de água. Tem nove filhos e diz que estão todos vivos. “Rezem por Mariupol, estamos a ser bombardeados de todas as direções. Rezem pelas mães com filhos, por favor, é muito difícil. Não temos água, não temos comida, não temos eletricidade, é assustador passar por isto", lamenta.

Esta quinta-feira, o chefe da diplomacia russa disse que hospital bombardeado em Mariupol servia de base para um grupo de extremistas ucranianos. Segundo Serguei Lavrov, os doentes, médicos e funcionários tinham sido expulsos por elementos do grupo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A caminho da legião estrangeira na Ucrânia

O fogo não vai cessar na Ucrânia

Alemanha recebe refugiados judeus da Ucrânia