Líderes europeus apoiam integração da Ucrânia

Líderes europeus posam em frente ao Palácio de Versalhes
Líderes europeus posam em frente ao Palácio de Versalhes Direitos de autor LUDOVIC MARIN/AFP
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Não haverá, no entanto, atalhos numa eventual adesão à União Europeia

PUBLICIDADE

Os líderes europeus prometem apoiar a integração da Ucrânia "sem demora", mas não haverá atalhos.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia estão reunidos em Versalhes, em França, e, no final do primeiro dia de cimeira informal, garantiram que Kiev vai "receber todo o apoio na prossecução do caminho europeu" e que o processo de adesão já começou.

De qualquer forma, não houve unanimidade quanto à rapidez com que Bruxelas deve aceitar a Ucrânia como membro, nem quanto à necessidade dos 27 de romperem os laços energéticos com Moscovo.

Por outro lado, os líderes europeus lembraram que já adotaram "sanções significativas" contra a Rússia e que se mantêm dispostos "a avançar rapidamente com mais sanções".

Os Estados-membros exigiram ainda "que a segurança das instalações nucleares da Ucrânia seja imediatamente assegurada com a assistência da Agência Internacional da Energia Atómica" e que "a Rússia cesse a ação militar e retire todas as forças e equipamento militar de todo o território da Ucrânia imediata e incondicionalmente, e respeite plenamente a integridade territorial, soberania e independência da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas".

Entretanto, já na manhã desta sexta-feira, a União Europeia propuseram um novo pacote de ajuda financeira para a Ucrânia. Os 27 querem enviar mais 500 milhões de euros para financiar a compra de armas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França: governo cede aos agricultores e adia plano para eliminar uso de pesticidas

Jacques Delors, o arquiteto da União Europeia moderna

Soldados ucranianos aprendem novas táticas e a usar armas modernas na UE