This content is not available in your region

Zelenskyy lança novo apelo a diálogo sério com Moscovo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Imagem de satélite da destruição em Mariupol
Imagem de satélite da destruição em Mariupol   -   Direitos de autor  AFP PHOTO / SATELLITE IMAGE ©2022 MAXAR TECHNOLOGIES

Pelo menos um morto e 11 feridos é o balanço do ataque contra a Academia de Administração Pública, um dos últimos bombardeamentos russos contra Kharkiv, uma das cidades ucranianas mais visadas desde o início da invasão.

Num novo vídeo, o presidente ucraniano lançou um apelo a um diálogo sério com a Rússia.

Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia:"Quero que todos me ouçam, sobretudo em Moscovo: chegou o momento de nos reunir-mos para falar. Chegou o momento de restabelecer a integridade territorial e justiça para a Ucrânia. Caso contrário, os custos para a Rússia serão tão elevados, que não será capaz de se recuperar durante várias gerações."

Entretanto, os combates intensificam-se em Mariupol, onde o Exército russo diz que conseguiu finalemente entrar e está a lutar ao lado de tropas da região separatista de Donetsk.

Milhares de pessoas continuam a fugir da cidade portuária junto ao mar de Azov, multiplicando-se os relatos de combates urbanos e devastação.

Junto à fronteira com a Polónia, mísseis russos destruiram esta sexta-feira uma fábrica de aeronáutica perto do aeroporto de Lviv.

Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia:"Na manhã de 18 de março, com recurso a uma arma de longo alcance de grande precisão, foi conduzido um ataque contra infraestruturas militares ucranianas. Foi visado um estacionamento para aviões militares ucranianos numa fábrica de Lviv, bem como depósitos de armas e equipamento militar ucraniano nos arredores de Nikolaev, Mykolaev e Voznesenk."

A cidade de Lviv, ponto de passagem de um grande número de deslocados que tentam escapar para a Europa Ocidental, foi também palco de uma manifestação simbólica: 109 carrinhos de bebé vazios, dispostos numa praça, para representar o número de crianças supostamente mortas desde o início da invasão russa.