Zelenskyy convidado a discursar na cimeira da NATO na quinta-feira

Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy a discursar por videoconferência
Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy a discursar por videoconferência Direitos de autor REMO CASILLI/AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Presidente ucraniano vai participar através de vídeoconferência na cimeira da NATO. Kiev diz que Zelenskyy irá pedir ajuda para acabar com invasão russa.

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, foi convidado para participar, por videochamada, na Cimeira da NATO que decorre na quinta-feira (24 de março) em Bruxelas, onde se irá discutir sobre a Guerra na Ucrânia. O chefe de Estado ucraniano afirmou, nos últimos dias, estar disposto a deixar cair, para já, a hipótese de adesão à Aliança Atlântica, em troca de um cessar-fogo, da retirada das tropas russas e de garantias de segurança para a Ucrânia.

A Cimeira ocorre numa altura em que a comunidade internacional aperta o cerco ao regime de Vladimir Putin.

O secretário-geral da ONU, António Guterres apelou, esta terça-feira, a Vladimir Putin que termine de imediato com esta guerra que classificou de "disparatada".

O secretário-geral das Nações Unidas pediu, também, aos Estados-membros que estejam unidos na pressão contra a Rússia.

Os apelos de Guterres ocorrem no dia em que a ONU divulgou que desde o início da invasão russa morreram, pelo menos, 953 civis ucranianos.

"A continuação da guerra na Ucrânia é moralmente inaceitável, politicamente indefensável e militarmente disparatada. O que eu disse a partir deste pódio, há quase um mês, deveria ser ainda mais evidente hoje. Por qualquer medida - até pelo cálculo mais astuto - é tempo de parar os combates e dar uma oportunidade à paz. É tempo de pôr fim a esta guerra absurda", afirmou Guterres.

A dependência de alguns Estados-membros do gás e do petróleo russos tem impedido a União Europeia de impor sanções mais severas à Rússia.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, alertou que a guerra na Ucrânia pode ser um “confronto de longa duração” e defendeu que é necessário evitar medidas insustentáveis a longo prazo, como um embargo à energia da Rússia.

No entanto, em Bruxelas, estudam-se novas alternativas de fornecimento de energia.

A presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola sublinhou que "a posição do Parlamento Europeu tem sido muito clara, desde o início. Temos de deixar de ser dependentes da Rússia e esse tem de ser o nosso principal objetivo. Devemos comprar a nossa energia aos nossos amigos e não aos nossos inimigos porque, indiretamente, estamos a financiar esta guerra, todos os dias".

A Turquia, tradicional aliada da Rússia, tem condenado a invasão da Ucrânia. No entanto, o primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte, expressou o desejo de ver Ancara a adotar sanções mais pesadas contra Moscovo.

Num encontro com o presidente Recep Tayyip Erdogan, na capital turca, Rutte frisou que "seríamos muito favoráveis a que a Turquia implementasse todas as sanções (contra a Rússia), mas penso que temos, também, de estar satisfeitos com o facto de a Turquia estar agora a desempenhar o seu papel diplomático e o seu papel de liderança na tentativa de pôr fim ao conflito".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestantes ucranianos pedem rotação de soldados

ONU relata mais de 4600 novas mortes de civis na Ucrânia e fala nos horrores cometidos pela Rússia

Ataque russo na vila de Hroza no leste da Ucrânia faz dezenas de vítimas mortais