Ucranianos dizem ter destruído um navio russo em Berdyansk

Ucranianos dizem ter destruído um navio russo em Berdyansk
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Militares ucranianos dizem que foi destruído um grande navio russo, em Berdyansk, porto que as forças russas usavam para reabastecimento

PUBLICIDADE

Os militares ucranianos dizem que um grande navio russo foi destruído perto da cidade de Berdyansk, no sul da Ucrânia.

Berdyansk é uma pequena cidade na costa do Mar de Azov, a cerca de 70 km a oeste de Mariupol. A Rússia capturou Berdyansk há semanas e tem vindo a utilizar o porto para reabastecimento. A cidade fica entre a Crimeia e a cidade sitiada de Mariupol.

A Marinha da Ucrânia publicou no Facebook esta quinta-feira que "O grande navio de desembarque Orsk, da frota dos ocupantes no Mar Negro foi destruído no porto de Berdyansk, capturado pela Rússia", ilustrando com imagens de um barco em chamas.

Também esta quinta-feira a Rússia alegou ter tomado Izyum, uma cidade onde viviam cerca de 40.000 pessoas antes da guerra. A administração ucraniana da cidade, no entanto, diz que os combates continuam.

Izyum está numa rota chave para a região oriental de Donbas, que potencialmente permitiria às forças russas no nordeste e sudeste encontrarem-se.

Os combates continuam agora também em torno de Kiev, a capital da Ucrânia, do oeste e noroeste. A polícia nacional diz estar a retomar o trabalho no subúrbio de Irpin, muito do qual tinha sido ocupado e destruído pelas forças russas.

Segundo a administração de Kiev, na capital, mais de 87 edifícios residenciais foram destruídos.

Kiev, a capital da Ucrânia, com uma população de mais de 4 milhões de pessoas, tem vindo a ser atacada há semanas, pelo norte e pelo noroeste.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mulheres palestinianas denunciam abusos por parte das forças israelitas

Ucrânia abate três bombardeiros russos

Guerra na Faixa de Gaza é um conflito mortal para jornalistas