EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Comunidades ucranianas nos EUA mobilizam-se para receber os refugiados

(screenshot)
(screenshot) Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A comunidade ucraniana de Sacramento, na Califórnia, tem cerca de 20 mil imigrantes que estão a mobilizar-se para receberem os refugiados da guerra

PUBLICIDADE

O governo norte-americano ainda não anunciou o plano de acolhimento dos refugiados da Ucrânia, mas, com Joe Biden a prometer acolher 100 mil refugiados, as comunidades ucranianas nos Estados Unidos, como a de Sacramento, mobilizam-se para poderem fornecer abrigo e alimentação aos que fogem da guerra.

Vanassa Hamra, Gestora de Envolvimento Comunitário na "World Relief" fala da dimensão local da comunidade ucraniana: "Após a queda da União Soviética, muitos ucranianos e indivíduos de países da antiga União Soviética vieram para Sacramento. Assim, existe aqui uma base comunitária incrivelmente forte, algo como 20.000 ucranianos na grande área de Sacramento e uma rede realmente forte de igrejas e empresas e ligações sociais. Portanto, quando as pessoas vêm, sentem-se parte de uma comunidade aqui".

O Pastor da Igreja Casa do Pão, Eduard Kislyanka, diz: "Criámos um sistema de famílias de acolhimento que podem receber os refugiados que aqui chegam. A maioria está a vir ilegalmente, atravessando a fronteira para a Califórnia e espalhando-se".

Em Sacramento, igrejas como a Casa do Pão estão a fazer a ligação entre pessoas que chegam e as famílias de acolhimento. Os refugiados encontram abrigo e ajuda para aceder aos recursos e transportes do governo.

Oleksandra Datsenko espera o irmão: "O meu irmão ainda está na Ucrânia e quase vive num abrigo antibomba. Só tem vontade de chorar e não compreende como é que isto aconteceu no século XXI".

As mercearias e restaurantes da Europa Oriental oferecem borscht, a sopa tradicional de beterraba, doces, bebidas e outros alimentos ucranianos para alimentar o corpo e confortar a alma num momento tão difícil.

Por outro lado, as empresas ucranianas na região contratam cidadãos ucranianos para facilitar a adaptação a uma nova língua e a integração numa nova cultura.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"