Orbán conquista quarto mandato

Viktor Orbán
Viktor Orbán Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro da Hungria obtém com o Fidesz uma vitória mais fácil do que o previsto. ONG denunciam grande volume de irregularidades no escrutínio

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro conservador e nacionalista da Hungria conquistou uma quarta vitória consecutiva nas legislativas deste domingo, com uma maior facilidade do que o previsto face à coligação da oposição.

Viktor Orbán sai reforçado depois de um escrutínio também fortemente marcado pela invasão da Ucrânia e pela reticência do chefe do governo húngaro em condenar o aliado, Vladimir Putin.

Tivémos de lutar contra forças enormes: a esquerda em casa e no plano internacional, os burocratas de Bruxelas, todas as organizações do império Soros, os principais media internacionais e mesmo o presidente ucraniano. Nunca tivémos tantos adversários.
Vikor Orbán
primeiro-ministro da Hungria

Uma grande derrota para a Oposição Unida pela Hungria, coligação de seis formações lideradas por Péter Márki-Zay, que perdeu mesmo o voto na sua própria circunscripção.

O Fidesz de Orbán arrecadou cerca de 53 por cento dos boletins, controlando dois terços do Parlamento, contra apenas cerca de 35 por cento para a oposição, com uma afluência a rondar os 68 por cento, perto dos valores recorde registados em 2018.

Os críticos dizem que o primeiro-ministro beneficiou do forte controlo dos media do país, bem como de mudanças ao sistema eleitoral que o tornam injusto.

A Coligação para um Voto Limpo - que reúne quatro ONG húngaras - diz ter recebido um grande volume de denúncias de irregularidades no escrutínio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Só uma oposição unida pode vencer o regime" de Orbán

Orbán na abertura da campanha para as europeias do Fidesz: "O que Bruxelas está a fazer é brincar com o fogo"

Oposição na Hungria apela à realização de eleições antecipadas