EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Guerra já fez mais de 5 milhões de refugiados

Ucrânia
Ucrânia Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Petr David Josek/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

ACNUR afirma que número de refugiados ucranianos já ultrapassa os cinco milhões

PUBLICIDADE

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) anunciou que mais de cinco milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde o início da invasão no dia 24 de fevereiro.

"O número de refugiados que fogem através das fronteiras continua a aumentar diariamente. Portanto, isto é uma quantidade espantosa de pessoas que tiveram de abandonar as suas casas, os seus bens, em alguns casos membros da família também. Milhões de vidas foram destroçadas e despedaçadas por esta guerra", afirma a porta-voz do ACNUR, Shabia Mantoo.

A ONU estima que para além dos cinco milhões de refugiados existam igualmente 7,1 milhões de deslocados internos.

A Polónia é um dos principais países de acolhimento. Cerca de 2,8 milhões de ucranianos já receberam assistência das autoridades.

Hungria e Roménia são outros destinos preferenciais.

"Quisemos fugir imediatamente porque todas as casas à volta foram destruídas. Refugiámo-nos nas caves com medo de sair. Foi tudo saqueado, as pessoas queriam comer, também não tínhamos água", afirma Viktoriya Savyichkina, uma refugiada ucraniana de 40 anos, oriunda de Mariupol.

Com a mudança do teatro de guerra para o leste do país, milhares de ucranianos regressam às suas casas.

Dados das autoridades polacas sugerem que 738 mil ucranianos já teriam regressado às suas casas ou ao que resta delas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Refugiados lutam para um retorno à normalidade

Fugir dos invasores russos sem sair da Ucrânia: "Estamos dispostos a perder tudo"

Rússia testa míssil intercontinental e pressiona leste da Ucrânia