This content is not available in your region

Cientistas fazem crescer plantas em amostras de solo lunar

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Planta cultivada em amostra de solo lunar recolhido pela missão Apollo
Planta cultivada em amostra de solo lunar recolhido pela missão Apollo   -   Direitos de autor  TYLER JONES/2021 UF/IFAS Communications

Será possível cultivar plantas na Lua?

Para já, foi possível fazê-las crescer em amostras de solo lunar, na Universidade da Florida

Até para os cientistas foi surpreendente, como diz Robert Ferl, cientista do Instituto das Ciências Alimentares e Agrícolas da Universidade da Florida.

"A primeira mensagem foi: "Que maravilha!" As plantas podem crescer em solo lunar. Para além disso, aprendemos agora que há algumas coisas que temos de saber e ser capazes de fazer melhor se quisermos cultivar".

A experiência foi feita pelos cientistas do Instituto de Ciências Alimentares e Agrícolas da Universidade da Florida, em solo lunar trazido para a Terra, por Neil Armstrong e a sua tripulação, durante a Missão Apollo 11, há mais de 50 anos.

A bióloga e geneticista Anna-Lisa Paul explica: "Durante a sua primeira semana de vida, não houve realmente qualquer diferença entre os controlos e as plantas lunares. Portanto, não havia nada inerentemente tóxico para as plantas no rególito lunar que impedisse o crescimento das plantas. Tudo o que temos de fazer é descobrir como mitigar os efeitos negativos".

**Há um ano. Em diversas minicápsula foram colocadas sementes de agrião num grama de solo lunar.**Apesar de os investigadores perceberem que os rebentos cresciam mais lentamente e com raízes raquíticas, os resultados foram considerados encorajadores

O geólogo Stephen Elardo diz: "Este foi o primeiro passo no que esperamos seja um processo muito longo e de várias décadas para descobrir este material e quando voltarmos à lua, fazê-lo na superfície lunar.

Poder cultivar alimentos na lua seria um passo gigante para as missões dos futuros astronautas. O estudo é oportuno para a NASA, que se prepara para a exploração habitada e robotizada da Lua, através das missões do programa Artemis.

"Esta investigação é crucial para os objetivos de exploração humana a longo prazo da NASA", disse Bill Nelson, chefe da agência espacial americana. "Teremos de utilizar os recursos encontrados na Lua e em Marte para desenvolver fontes alimentares para os futuros astronautas que viverão no espaço profundo".

Para a sua experiência, os investigadores utilizaram apenas 12 gramas de solo lunar (ou algumas colheres de chá), recolhidos em vários locais da Lua durante as missões Apollo.

Em pequenos vasos do tamanho de um dedal, colocaram cerca de um grama de terra - rególito - de cada vez, acrescentaram água e depois as sementes. Uma solução nutritiva foi também adicionada diariamente.

Ao mesmo tempo, foram plantadas sementes no solo da nossa própria Terra e amostras de solo lunar e marciano para comparação.

Após dois dias, as sementes das amostras lunares germinaram.

 "Todas as plantas, quer nas amostras de solo lunar, quer nas amostras de controlo, tinham o mesmo aspeto até ao sexto dia", disse Anna-Lisa Paul, autora principal do estudo.

Mas depois disso, descobriu-se que as plantas lunares cresciam mais lentamente e tinham raízes atrofiadas.

Após 20 dias, os cientistas colheram-nas e estudaram o seu ADN. Descobriram que as plantas da Lua reagiram da mesma forma que reagiriam a um ambiente hostil, tal como um solo com demasiado sal ou metais pesados.

No futuro, os cientistas querem compreender como este ambiente pode ser tornado mais hospitaleiro.

As experiências são as primeiras a investigar se as plantas podem crescer em solo lunar e seguem um esforço de 11 anos para obter o material raro. Porque o solo é tão precioso, a Nasa emprestou apenas 12g dele aos investigadores que realizaram os testes.

Os cientistas há muito que se perguntam se a Lua poderia receber as culturas, mas com as agências espaciais a planearem agora o regresso dos humanos à superfície, e potencialmente a construção de povoações lunares para os visitantes, a questão tornou-se mais premente.