EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

NATO não faz "literalmente nada"

Kuleba critica Aliança Atlântica em Davos
Kuleba critica Aliança Atlântica em Davos Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dmytro Kuleba critica fortemente a inação da Aliança Atlântica na guerra da Ucrânia. Ministro ucraniano diz que NATO não faz literalmente nada

PUBLICIDADE

Não fazem "literalmente nada" foi com estas duras palavras que o chefe da diplomacia ucraniana criticou a Organização do Tratado do Atlântico Norte. Depois de mais de três de meses após a invasão da Rússia, Dmytro Kuleba esperava que a NATO tivesse uma intervenção direta na defesa contra o invasor. No entanto, no Fórum Económico Mundial de Davos, na Suíça, Kuleba elogiou as ações de Bruxelas.

"Vemos aliados a ajudar a Ucrânia. Vemos este grupo de aliados da NATO a ajudar-nos, mas no início da guerra, o povo da Ucrânia - era um sentimento público - acreditava que a NATO é a força forte e que a União Europeia só é capaz de expressar diferentes níveis de preocupação, e é só isso. Mas a guerra serve de teste para tirar as máscaras e todos nós vimos os verdadeiros rostos. O que vimos são algumas decisões revolucionárias e inovadoras tomadas pela União Europeia, que nem eles próprios esperavam tomar. E vemos a NATO como uma Aliança, como uma instituição, marginalizada, e a não fazer literalmente nada", sublinha o ucraniano.

Entretanto, na Turquia, as negociações da Aliança Atlântica estão num impasse. O Governo de Recep Tayyip Erdogan afirma que mantém o bloqueio à adesão por parte da Suécia e da Finlândia sem "medidas concretas" de Estocolmo e Helsínquia.

Ancara acusa os dois países de acolherem militantes curdos do PKK, partido que classificou como uma organização terrorista.

A primeira-ministra sueca Magdalena Andersson assegurou o seu Governo "obviamente" que não financia nem arma organizações terroristas. A Governante espera que que as objeções de Erdogan sejam superadas em breve, permitindo a adesão da Suécia e da Finlândia e conduzindo a uma NATO "ainda mais forte".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Mais armas pesadas" para a Ucrânia

Finlândia e Suécia entregam à NATO pedidos de adesão

Ucrânia pede "armas, armas e armas" à NATO