This content is not available in your region

Manipulação das notícias na Rússia

Access to the comments Comentários
De  Sophia Khatsenkova
euronews_icons_loading
Televisão estatal da Rússia transmitiu uma reportagem sobre protestos na Bélgica.
Televisão estatal da Rússia transmitiu uma reportagem sobre protestos na Bélgica.   -   Direitos de autor  euronews

Esta semana, o principal canal de televisão estatal da Rússia transmitiu uma reportagem sobre protestos na Bélgica.

A pivô introduz o assunto dizendo que 80.000 pessoas marcharam na capital, Bruxelas, exigindo que o país deixasse de gastar milhões de euros na Ucrânia e se concentrasse na própria população.

Aqui no The Cube, decidimos verificar estas reivindicações e não encontrámos provas de que estes protestos fossem todos impulsionados pela raiva contra o envolvimento da Bélgica na guerra da Ucrânia.

É verdade que em certos vídeos, como este de uma estação de televisão local, alguns cartazes criticam as sanções contra a Rússia

E também é verdade que a Bélgica gastou, até agora, cerca de 77 milhões de euros em ajuda à Ucrânia e se comprometeu em gastar mais 800 milhões de euros, mas descobrimos que a maioria das reivindicações dos manifestantes e sindicatos, em Bruxelas, esta semana não mencionava a guerra e a ajuda da Bélgica à Ucrânia.

A principal razão para o protesto foi exigir uma reforma da lei sobre os salários, como pode ver neste comunicado de imprensa de um dos sindicatos de trabalhadores que organizou o protesto.

A lei, que pretendem suprimir, impede que os salários aumentem para além de uma certa percentagem todos os anos, de modo a não comprometer a rentabilidade das empresas belgas.

No ano passado, os salários em todo o setor não puderam aumentar mais de 0,4%.

Os sindicatos dizem que isto é injusto devido ao aumento do custo de vida e mencionam que as empresas estão a aproveitar-se do contexto da guerra na Ucrânia.

No entanto, este protesto de 80.000 pessoas foi predominantemente sobre o aumento das condições de vida e da lei salarial do país, e não sobre o apoio do Governo a Kiev.