EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

António Guterres: previsões apontam "para um aumento das emissões em 2030, o que é um suicídio"

António Guterres: previsões apontam "para um aumento das emissões em 2030, o que é um suicídio"
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Sérgio Ferreira de Almeidaeuronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em entrevista à euronews, o secretário-geral da ONU António Guterres exortou os líderes mundiais a combater a crise climática com medidas drásticas e sublinha que os líderes económicos "têm uma enorme responsabilidade".

Numa altura em que a luta contra as alterações climáticas perde primazia devido à guerra na Ucrânia, as Nações Unidas organizam, em Lisboa, a Conferência dos Oceanos. A euronews falou com o Secretário-Geral da ONU, António Guterres.

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: "Como podemos voltar a colocar a luta contra as alterações climáticas no topo da agenda internacional?"

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “Fazendo tudo o que é possível para que isso aconteça, levantando a questão, tanto quanto possível, em todas as frentes. A guerra na Ucrânia demonstra que teria sido importante se, nas últimas décadas tivéssemos investido de forma massiva em energias renováveis. Se isso tivesse acontecido, não estaríamos hoje à mercê da indústria dos combustíveis fósseis e de preços extremamente elevados, o que prejudica a qualidade de vida das pessoas e agrava a situação de muitos países em desenvolvimento. Se a guerra na Ucrânia demonstra algo, demonstra a necessidade de acelerar a transição ecológica, o que significa que temos de combater as alterações climáticas de forma muito mais eficaz".

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: “Mas estamos a ver líderes mundiais a reinvestir na energia fóssil. Como é possível convencê-los? “

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “Isso é um suicídio e espero que as pessoas compreendam que o suicídio não é propriamente a melhor maneira de enfrentar o futuro”.

A minha geração é responsável pelo facto de estarmos em guerra com a natureza e pela situação das alterações climáticas não estar sob controlo.
António Guterres, Secretário-Geral da ONU

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: “Ao mesmo tempo, é difícil convencer as pessoas que têm problemas a nível alimentar e energético de que é preciso de dar prioridade às alterações climáticas e à luta contra as alterações climáticas. Como fazê-lo? “

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “Antes de mais, é preciso tentar resolver o problema, nomeadamente, o problema da segurança alimentar. É por isso que estamos muito empenhados em tentar criar condições para que tanto os produtos alimentares ucranianos como os produtos alimentares e fertilizantes russos possam chegar aos mercados globais, precisamente para melhorar a situação e permitir que os preços baixem. E creio que existem também outras iniciativas em relação aos preços da energia. Mas, obviamente, nesta situação, em que o preço dos combustíveis fósseis está tão elevado, há uma boa razão para utilizar o menos possível esses combustíveis. É do interesse de toda a gente continuar, de forma determinada, o combate contra as alterações climáticas, porque é a única forma de evitar, no futuro, esta dependência dramática face à instabilidade do mercado dos combustíveis fósseis”.

É preciso não esquecer que a indústria dos combustíveis fósseis gastou milhares e milhares de milhões durante décadas com pseudociência, campanhas de comunicação e todo o tipo de pressões para tentar convencer o mundo de que as alterações climáticas não eram assim tão graves.
António Guterres, Secretário-Geral da ONU

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: “Vemos que os mares e os oceanos estão a ser usados como uma arma. O acesso ao mar, nomeadamente, ao Mar Negro está a ser usado como uma arma. Vimos aqui alguns jovens com mensagens sobre as minas no oceano. Como podemos combater esse fenómeno?”

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “Em primeiro lugar, a questão do acesso ao mar a partir dos portos ucranianos. É exactamente esse o objetivo do plano da ONU apresentado aos russos e aos ucranianos, com o apoio da Turquia. Esperamos que seja possível realizar, em breve, uma reunião dos quatro, em Istambul, para chegar a um acordo, com base nas diferentes consultas que foram feitas, nomeadamente a nível bilateral pelos militares desses três países. Esperamos que seja possível chegar a um acordo que permita a exportação dos cereais ucranianos. E que permita, ao mesmo tempo, que os países, a nível internacional, facilitem as exportações de alimentos e fertilizantes russos, porque, na verdade, não foram aplicadas sanções a alimentos e fertilizantes, mas, existem complexidades ao nível da expedição, dos seguros, dos pagamentos que têm de ser abordadas. Por isso, temos estado em contacto estreito com a União Europeia, os Estados Unidos e a Rússia para chegar a um conjunto de acordos para que os produtos alimentares e fertilizantes ucranianos e russos cheguem aos mercados globais”.

As previsões (...) continuam a apontar para um aumento das emissões em 2030, o que é um suicido, é totalmente inaceitável.
António Guterres, Secretário-Geral da ONU

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: “A Rússia é um ator importante na luta contra a crise climática. É possível fazê-los voltar ao palco das negociações para ajudar o mundo a combater as alterações climáticas?”

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “A Rússia está presente na Conferência dos Oceanos. Creio que a luta contra as alterações climáticas é vital para toda a humanidade. Por isso, todos os países devem assumi-la como uma prioridade”.

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: “Aqui neste evento, pediu desculpa aos jovens porque a sua geração contribuiu muito para a situação atual”.

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: “A minha geração é responsável pelo facto de estarmos em guerra com a natureza, e pela situação das alterações climáticas não estar sob controlo. Deveríamos estar a reduzir drasticamente as emissões nestas décadas. E as previsões, com base nos compromissos assumidos pelos Estados membros em todo o mundo, continuam a apontar para um aumento das emissões em 2030, o que é um suicido, é totalmente inaceitável. E em relação aos oceanos, estamos a perder a batalha da preservação dos nossos oceanos, em relação ao aquecimento e à acidez causada pelas alterações climáticas, a perda de corais, a perda de biodiversidade, a pesca excessiva, a poluição plástica, outras formas poluição tóxica que faz com que várias zonas costeiras fiquem totalmente sem vida. Estamos a perder a batalha da preservação dos oceanos e isso tem de ser invertido. A minha geração não foi capaz, ou não quis fazê-lo, de tomar consciência, no momento em que era preciso fazê-lo, de que a situação estava a ficar fora de controlo”.

Sérgio Ferreira de Almeida, euronews: "Está optimista em relação ao futuro próximo? Os líderes mundiais vão comprender que é urgente agir?"

António Guterres, Secretário-Geral da ONU: "Não se trata de uma questão de otimismo ou pessimismo. Estou determinado a fazer tudo o que estiver ao meu alcance para influenciar os líderes mundiais da política e também do setor económico. É preciso não esquecer que a indústria dos combustíveis fósseis gastou milhares e milhares de milhões durante décadas com pseudociência, campanhas de comunicação e todo o tipo de pressões para tentar convencer o mundo de que as alterações climáticas não eram assim tão graves e que os combustíveis fósseis não estavam a criar os problemas que efetivamente estão a criar. Algo similar ao que a indústria do tabaco fez há algumas décadas. Por isso, os líderes económicos também têm uma enorme responsabilidade. E todos eles líderes políticos, líderes económicos têm de compreender que estamos numa situação de emergência, e que a emergência requer medidas drásticas".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hospital pediátrico de Kiev reabre parcialmente uma semana após ataque da Rússia

Hospital pediátrico de Kiev reabre parcialmente uma semana após ataque de mísseis russos

Rússia e China juntas em novo exercício militar