EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Conferência dos Oceanos sublinha a gestão dos peixes na adaptação da pesca ao consumo

Exploração de salmão em aquacultura na Columbia Britânica
Exploração de salmão em aquacultura na Columbia Britânica Direitos de autor Jonathan Hayward/The Canadian Press via AP/Arquivo
Direitos de autor Jonathan Hayward/The Canadian Press via AP/Arquivo
De  Sérgio Ferreira de Almeida
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A defesa da gestão sustentável do mar na resposta ao aumento da procura alimentar da Humanidade esteve em destaque no terceiro dia da Conferência dos Oceanos

PUBLICIDADE

A crescente procura de peixes e outros alimentos marinhos está a mudar rapidamente o setor da pesca e da aquacultura. Espera-se que o consumo aumente, impulsionado principalmente pelo crescimento acelerado da população.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla anglófona) apresentou na conferência dos Oceanos em Lisboa o último relatório sobre o setor das pescas e traçou um cenário relativamente otimista.

O diretor da Divisão de Pescas e Aquacultura da FAO sublinha a atual "melhor" gestão das "maiores reservas de peixe" para justificar porque tem "melhorado a respetiva sustentabilidade, obviamente, ao longo da última década, enquanto as populações mais pequenas, em locais mais isolados, talvez com pequenos sistemas de gestão em vigor, estão a deteriorar-se".

"Portanto, temos de nos certificar de que 100% das reservas de peixes em lagos, rios e oceanos estão sob gestão, porque sabemos que a gestão funciona. Mas esta é a grande questão", avisa Manuela Barange.

Um pedido mais difícil de concretizar nos países menos ricos e onde as pescas são feitas a uma escala mais reduzida:

"Qualquer agenda de sustentabilidade tem de ter em consideração as comunidades pesqueiras de pequena escala e tem de as colocar no centro da conservação", afirmou a coordenador do "Katosi Women Development Trust Uganda".

Margaret Nakato diz ser preciso respeitar "as componentes sociais, culturais e económicas destas comunidades pesqueiras para que as medidas sejam eficazes". "Mas também devemos partilhar os benefícios equitativos que advêm da sustentação destes recursos", acrescenta.

As Nações Unidas acreditam que "o crescimento da pesca e da aquacultura é vital para acabar com a fome e a desnutrição globais", mas é necessária uma maior regulamentação e uma maior transformação no setor para que os recursos dos oceanos não acabem.

A Conferências dos Oceanos da ONU termina esta sexta-feira, em Lisboa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

União Europeia quer mais proteínas do mar via aquacultura, incluindo algas

Expedição da NOAA e da Universidade dos Açores analisa fundo do mar em alta resolução

António Guterres: previsões apontam "para um aumento das emissões em 2030, o que é um suicídio"