EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Lysychansk "completamente" cercada

Separatistas pró-russos dizem que Lysychanks, no Donbass, está completamente cercada
Separatistas pró-russos dizem que Lysychanks, no Donbass, está completamente cercada Direitos de autor Nariman El-Mofty/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Nariman El-Mofty/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Forças invasoras russas intensificam ataques no leste da Ucrânia. Separatistas pró-russos dizem que Lysychanks, no Donbass, está completamente cercada.

PUBLICIDADE

As forças invasoras russas intensificaram os bombardeamentos no Donbass, no leste da Ucrânia.

Os separatistas pró-russos anunciaram, este sábado, terem cercado "completamente" Lysychansk, o último reduto controlado pelo exército ucraniano na província de Luhansk. Uma notícia avançada pela agência de notícias russa TASS, que carece ainda de confirmação.

O Kremlin anunciou, também, ter utilizado armas de alta precisão das Forças Aeroespaciais russas para destruir, nas últimas horas, instalações militares ucranianas nas cidades de Bakhmut e Chasiv Yar, em Donetsk, a outra província do Donbass, e, também na cidade portuária de Mykolaiv, e nas cidades de Zaporizhzhia e Kharkiv.

Entretanto, as Forças Armadas da Ucrânia divulgaram imagens de vídeo do que dizem ser bombardeamentos das forças russas à Ilha das Serpentes, no Mar Negro, um ataque onde, dizem, os russos terão usado bombas de fósforo.

Divulgaram, ainda, imagens do que afirma ser uma explosão nos armazéns do exército russo no leste da Ucrânia, sem divulgarem no entanto mais detalhes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia tem um longo caminho pela frente antes de chegar à UE

Ucrânia acusa Rússia de atacar civis em Lysychansk

Ucrânia com dificuldades para reparar infraestruturas de energia devido a constantes ataques russos