This content is not available in your region

O fim da era Boris: primeiro-ministro anuncia demissão mas só quer sair no outono

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Embora saia imediatamente da liderança conservadora, quer manter-se como chefe do executivo até os Tories nomearem um novo líder
Embora saia imediatamente da liderança conservadora, quer manter-se como chefe do executivo até os Tories nomearem um novo líder   -   Direitos de autor  Frank Augstein/The Associated Press

Desta vez, Boris Johnson sai mesmo. O ainda primeiro-ministro britânico não sobreviveu ao efeito dominó de demissões no seio do seu próprio governo, em rota de colisão com o que chamaram de falta de integridade no topo do poder.

"É claramente a vontade dos deputados do Partido Conservador que haja um novo líder e, portanto, um novo primeiro-ministro. Juntamente com Sir Graham Brady, o líder da nossa bancada parlamentar, decidimos que esse processo deve começar agora. Em política, ninguém é insubstituível. O nosso sistema, que é brilhante e darwinista, vai produzir um novo líder igualmente empenhado em levar este país para a frente neste período tão difícil", declarou frente a Downing Street.

Ou seja, Johnson só pretende deixar o governo quando o próximo líder conservador estiver escolhido e isso poderá acontecer só no congresso de outubro.

"Quero que saibam o quão triste estou por deixar o melhor trabalho do mundo. Mesmo que agora as coisas pareçam sombrias, o nosso futuro em conjunto é dourado", rematou.

O princípio do fim aconteceu na terça-feira, quando dois pesos pesados do governo bateram com a porta, o ministro das Finanças, Rishi Sunak, e o ministro da Saúde, Sajid Javid

Seguiram-se mais de meia centena de demissões em apenas 24 horas. O pedido para que saísse do recém-nomeado responsável pela pasta das Finanças terá sido a gota de água, embora Nadim Zahawi não se tivesse demitido.

Johnson ficou praticamente isolado, juntamente com uma série de escândalos que passou por vários capítulos. Incluiu as festas ilegais durante a pandemia e a alegada proteção a Chris Pincher, um responsável conservador acusado sucessivamente de assédios sexuais. Downing Street dizia que Johnson não estava a par das acusações, mas acabou por assumir que estava.