EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Líder da Al-Qaeda morto pelos EUA

Ayman al-Zawahiri e Osama Bin Laden, membros da Al-Qaeda
Ayman al-Zawahiri e Osama Bin Laden, membros da Al-Qaeda Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ayman al-Zawahiri encontrava-se no Afeganistão. Médico egípcio ajudou a coordenar os ataques de 11 de setembro de 2001.

PUBLICIDADE

O líder da Al-Qaeda foi morto num ataque com drones da CIA. De acordo com as autoridades norte-americanas, esta segunda-feira, Ayman al-Zawahiri encontrava-se no Afeganistão e terá sido eliminado no que o presidente Joe Biden considerou uma "operação de antiterrorismo com sucesso" e "sem baixas civis". 

"A justiça foi feita e este líder terrorista já não existe. Após uma busca incansável por Zawahiri, ao longo de anos, nas presidências de Bush, Obama, e Trump, os nossos serviços secretos localizaram Zawahiri, no início deste ano. Ele tinha-se mudado para o centro de Cabul para se reunir com membros de família chegada. Depois de considerar cuidadosamente as provas claras e convincentes da sua localização, autorizei um ataque de precisão para retirá-lo do campo de batalha de uma vez por todas", afirmou o líder norte-americano.

Ayman al-Zawahiri, médico e cirurgião egípcio, nasceu a 19 de Junho de 1951, no seio de uma família abastada dos subúrbios do Cairo.

Devoto ao islamismo desde criança, abraçou um ramo violento sunita que procurava subjugar a uma dura interpretação do domínio islâmico os governos do Egipto e de outras nações árabes.

Após ajudar a coordenar o 11 de Setembro, al-Zawahri reconstruiu a liderança da Al-Qaeda na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão e foi líder supremo no Iraque, na Ásia e no Iémen.

Levou a cabo ataques sangrentos em Bali, Mombaça, Riade, Jacarta e Istambul. Mais a ocidente, esteve por trás dos atentados em Madrid, em 2011, e, quatro anos mais tarde, em Londres.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Dois prisioneiros detidos em Guantánamo regressam ao Afeganistão

Jornalista francês Olivier Dubois já está em liberdade

A Al-Qaida ainda existe?