Arte em fuga na Ucrânia

Funcionárias de Khortytsia, uma ilha-museu em Zaporizhzhia, preparam obras de arte para colocá-las em segurança na Ucrânia
Funcionárias de Khortytsia, uma ilha-museu em Zaporizhzhia, preparam obras de arte para colocá-las em segurança na Ucrânia Direitos de autor MARINA MOYSEYENKO/AFP or licensors
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a aproximação das tropas russas a Zaporíjia, uma curadora retirou várias peças valiosas de um museu para colocá-las em segurança.

PUBLICIDADE

Às portas de Zaporíjia, no rio Dnipro, a pequena ilha de Khortytsia guardou durante anos um tesouro incalculável para a Ucrânia: um museu recheado de quadros, armas e cerâmicas antigas, que Natalya Chergik tomou como missão defender.

Com a aproximação das tropas russas à cidade, a curadora decidiu encher um camião com as peças mais valiosas e fazê-las chegar a um porto seguro.

"Começámos a retirar os artigos a 23 de fevereiro quando soubemos que Putin tinha reconhecido as repúblicas autoproclamadas de Luhansk e Donetsk. A 24 de fevereiro, quando foi lançada a ofensiva militar na Ucrânia, começámos a empacotar as coleções para que fossem retiradas", conta Natalya.

Nos cinco dias seguintes, fez cerca de mil quilómetros sob a ameaça constante dos aviões de guerra que rasgavam o céu.

O exército russo foi parado a cerca de 40 quilómetros de Zaporíjia sem conseguir tomar o controlo da ilha-museu.

De acordo com a UNESCO, 175 espaços culturais ucranianos foram danificados desde o início da invasão russa.

Kiev estima que cerca de 100 museus nacionais e 17 mil objetos culturais do país se encontrem em territórios ocupados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia inicia campeonato de futebol apesar da guerra

Agência de Energia Atómica quer entrar em Zaporijia

Depois de Avdiivka, russos apontam a Selydove. "São mais de 30 bombardeamentos por noite"