This content is not available in your region

Canadá nomeia a primeira juíza indígena para o Supremo Tribunal

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
A decisão de Trudeau é vista como mais um passo do processo de reconciliação com os povos aborígenes que foram vítimas de discriminação.
A decisão de Trudeau é vista como mais um passo do processo de reconciliação com os povos aborígenes que foram vítimas de discriminação.   -   Direitos de autor  John Locher/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

O Canadá tem, pela primeira vez, uma juíza do Supremo Tribunal de origem indígena. O primeiro-ministro Justin Trudeau nomeou Michelle O'Bonsawin. A magistrada é membro Abenaki da Primeira Nação de Odanak, na província do Quebeque. Tem como áreas de especialização a saúde mental e os Direitos Humanos.

"Como mulher aborígene que cresceu no norte do Ontário, apercebi-me da necessidade de indivíduos dedicados para dar uma voz forte e representativa àqueles que não podem falar por si próprios", escreveu ela nos seus documentos de nomeação divulgados pelo Governo.

Ela é também "fluentemente bilingue" em francês e inglês, lê-se no comunicado do primeiro-ministro que se tinha comprometido a nomear alguém que preenchesse este critério numa altura em que o uso do francês está a diminuir no Canadá, de acordo com dados oficiais. Michelle O'Bonsawin tem ainda de passar por um procedimento não vinculativo perante o Parlamento até ao final de agosto antes de assumir o seu cargo. A sua nomeação ocorre pouco menos de um ano após Mahmud Jamal, a primeira pessoa não branca a ser nomeada para o Supremo Tribunal canadiano, em outubro de 2021.

A decisão de Trudeau é vista como mais um passo do processo de reconciliação com os povos aborígenes que foram vítimas de numerosos escândalos de discriminação.