Regresso às aulas numa Ucrânia em guerra

Escola de Chernihiv, no norte da Ucrânia, bombardeada a 4 de março
Escola de Chernihiv, no norte da Ucrânia, bombardeada a 4 de março Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os alunos da Ucrânia regressam às aulas num país em guerra. As escolas preparam bunkers para a segurança das crianças.

PUBLICIDADE

As crianças de Chernihiv, no norte da Ucrânia, visitaram a escola que abandonaram no dia 24 de fevereiro quando a Rússia iniciou os ataques e a invasão do país.

O que viram foi destruição, já que a escola foi bombardeada.

Este ano, o regresso às aulas será tudo, menos tranquilo.

Sofiya Klyshnya, uma estudante de 12 anos, não esconde a tristeza: "Estou triste com a escola. Queria vir aqui para estudar este ano, e que tudo estivesse bem. Nem sequer pensei que a guerra pudesse começar assim".

Os alunos receberam os manuais e escolares e instruções sobre como utilizar os abrigos subterrâneos, ainda que no início do ano letivo, pela proximidade da fronteira com a Bielorrússia, as aulas estejam previstas a distância.

É também cinco metros abaixo das salas de aula, em Kiev, que o diretor, Mykhaylo Aliokhin, dá os retoques finais ao bunker onde os seus alunos passarão grande parte do tempo, quando o ano escolar da Ucrânia começar, no final desta semana.

"Logo que o sistema de alerta de ataques aéreos começa a funcionar, interrompemos qualquer atividade em qualquer circunstância, seja ela qual for, alimentação, recreio ou aula. O nosso pessoal foi treinado para tal evento. Temos de reunir as nossas equipas e todas as turmas têm de tomar duas rotas de evacuação para aqui para baixo, para os abrigos".

Este será um início de ano letivo difícil para milhares de crianças.

Nas áreas sob ocupação russa, a adaptação é ainda mais radical. As aulas passarão a ser em russo, com manuais russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Professores ucranianos preparam-se para aulas mais uma vez em tempo de guerra

Energodar sob ataque após chegada da Agência de Energia Atómica

Países Baixos assinam tratado de segurança com Kiev