EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

UE recomenda suspensão de 7,5 mil milhões de euros de ajuda à Hungria

Voktor Orban, primeiro-ministro da Hungria
Voktor Orban, primeiro-ministro da Hungria Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia está preocupada com o recuo da democracia no país e com a má gestão dos fundos que estão a ser atribuídos ao país

PUBLICIDADE

A União Europeia recomenda suspender cerca de 7,5 mil milhões de euros de ajuda à Hungria devido a preocupações sobre má gestão de fundos.

Está em causa o recuo democrático e a possível má gestão do dinheiro da UE.

O Comissário do Orçamento,  Johannes Hahn disse: "A Comissão propõe uma suspensão de 65% das autorizações para três programas operacionais sobre a política de coesão num montante estimado em 7,5 mil milhões de euros, o que representa mais de um terço da dotação da Hungria para a coesão e a proibição de celebrar compromissos jurídicos com o chamado interesse público".

Segundo Hahn,  a Hungria tem até 19 de novembro para esclarecer as preocupações

Segundo os meios de comunicação húngaros, o governo nacionalista de Orban vai anunciar nova legislação na segunda-feira.

Os legisladores da UE expressaram na semana passada a preocupação de que este possa ser apenas um estratagema para ganhar tempo.

O dinheiro seria proveniente dos "fundos de coesão" concedidos à Hungria. Este envelope de dinheiro, uma das maiores fatias do orçamento do bloco comunitário, ajuda os países a elevar as suas economias e infraestruturas aos padrões da União Europeia.

Qualquer ação para suspender os fundos deve ser aprovada pelos 27 países membros da UE, e isto requer uma "maioria qualificada", que ascende a 55% dos 27 membros, representando pelo menos 65% da população total da UE.

A Comissão Europeia acusou durante quase uma década o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, de desmantelar as instituições democráticas, assumindo o controlo dos meios de comunicação social e violando os direitos das minorias. Orban, que está em funções desde 2010, nega as acusações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grupo de reflexão húngaro reforça influência de Orbán em Bruxelas

Governo húngaro apresenta medidas para evitar sanções da UE

Televisão pública húngara emite debate político pela primeira vez em 18 anos