EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Áustria repõe controlos fronteiriços

Áustria repõe controlos fronteiriços
Áustria repõe controlos fronteiriços Direitos de autor Jakub Kotian/Tlacova agentura SR
Direitos de autor Jakub Kotian/Tlacova agentura SR
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Viena alinha com os países vizinhos numa medida que ameaça o futuro do espaço Schengen

PUBLICIDADE

A livre circulação na Europa Central não passa hoje de uma memória. A Áustria foi o mais recente país a repor o controlo fronteiriço, seguindo o exemplo dos vizinhos. A medida visa combater a entrada ilegal de imigrantes no país e tentar impedir uma nova crise migratória.

Karl Nehammer, Chanceler da Áustria, justifica a medida com a necessidade de alinhar com as políticas adotadas na região:

"Podemos ver que a crise já chegou à República Federal da Alemanha, daí as medidas que os alemães tomaram em relação à República Checa e que criaram um efeito dominó. A Chéquia fez o mesmo em relação à Eslováquia e agora chegou a vez da Áustria adotar estas medidas na fronteira eslovaca para não favorecer o contorno dos controlos em vigor."

O combate ao tráfico humano exige medidas duras, na Chéquia a chegada de migrantes atingiu este ano uma proporção nunca antes vista. De acordo com a polícia checa, desde o início do ano já foram investigados 140 crimes e perseguidos na justiça 125 traficantes.

Números historicamente altos, de acordo com as forças de autoridade checas já foram interpelados 12 mil imigrantes ilegais, quatro vezes mais do que o registado durante a vaga migratória de 2015.

A multiplicação dos controlos fronteiriços na região pode resolver alguns problemas, mas também ameaça seriamente o futuro do espaço Schengen.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Euro 2024: França sem Mbappé empata a zero com os Países Baixos

Meloni visita a Albânia com crise das migrações no topo da agenda

"Eu perdoo-o": Robert Fico diz que não sente "nenhum ódio" pelo seu agressor