EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"La Niña" promete trazer frio extremo à Europa este inverno

Chuva na Europa
Chuva na Europa Direitos de autor LUIS ROBAYO/AFP or licensors
Direitos de autor LUIS ROBAYO/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O inverno não será clemente para os europeus. Para além da escassez de gás, o fenómeno "La Niña" promete trazer frio extremo à Europa

PUBLICIDADE

Este inverno promete ser particularmente rude na Europa se juntarmos à possível falta de energia para aquecimento as condições de ar seco e frio extremo que pode provocar o fenómeno climático "La Niña". 

O diretor do Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas Copernicus, Carlo Buontempo explica: "... enquanto a temperatura está a subir em todo o mundo, a Ásia Central permanecerá fria por enquanto. Assim que começarmos a ter as zonas orientais frias, este ar siberiano deslocar-se-á sobre a Europa e fará a temperatura baixar - esse é o risco que enfrentamos especialmente no início do inverno".

O impacto do "La Niña", o poderoso padrão climático influenciado por temperaturas mais frias sobre o oceano pacífico está a ser sentido de diferentes maneiras em diferentes continentes.

Na Austrália registam-se algumas das condições mais húmidas de sempre; nas partes ocidentais da América do Norte está a ser vivida uma seca sem precedentes e para a Europa o impacto do "La Niña"  pode significar tempo extremamente frio.

E já não falta muito. O perito em meteorologia, Dave Throup, diz que "vamos ver estes extremos e estes extremos vão certamente piorar ao longo das nossas vidas. Vamos ter de nos habituar a que as coisas se tornem consideravelmente mais severas".

O frio intenso chega numa altura em que a escassez de gás é uma possibilidade real para muitos europeus e, para os londrinos Eileen e Michael O'keefe não poderia ser pior. Fazer uma simpes chávena de chá já custa três vezes mais.

O casal só se lembra de um período mais assustador do que este, mas Eileen mantém o otimismo: "ultrapassámos a guerra e o racionamento e conseguiremos ultrapassar isto. Mas penso que nos próximos 6 a 9 meses vai ser muito difícil", afirma

O tempo é difícil de prever, mas os dados existente sugerem que o inverno será muito mais frio do que o normal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

25 mortos em deslizamentos de terras na Venezuela

Suíça: três pessoas estão desaparecidas após deslizamento de terras nos Alpes devido à chuva

Europa de extremos: onda de calor na Turquia, incêndios em Chipre e inundações em Espanha