China entra no porto de Hamburgo

Porto de Hamburgo, Alemanha
Porto de Hamburgo, Alemanha Direitos de autor ODD ANDERSEN/AFP or licensors
Direitos de autor ODD ANDERSEN/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo alemão autoriza concessão de 25% de um terminal do porto de Hamburgo ao grupo chinês Cosco

PUBLICIDADE

O Governo da Alemanha autorizou a concessão de parte de um terminal no porto de Hamburgo ao grupo chinês Cosco.

Segundo um comunicado do ministério germânico da Economia, a parte atribuída fica limitada a menos de 25%, em vez dos 35% previstos, alegando a proteção da "segurança e ordem pública."

Este é o último investimento, de muitos, que a China tem vindo a fazer nos principais centros de navegação em toda a Europa. Alguns estão inteiramente sob o controlo de Pequim.

O chanceler Olaf Scholz, que apoia a concessão chinesa, viaja para a China no próximo mês com uma delegação de empresários alemães.

No entanto, os parceiros da coligação governamental advertem o líder do Executivo contra a crescente influência chinesa sobre as infraestruturas estratégicas germânicas.

"Globalmente, é importante que tenhamos aprendido que depender de países que depois, devido aos próprios interesses, podem querer chantagear-nos já não é apenas um fenómeno abstrato... Veja-se o caso do gás e a Rússia. É uma realidade neste mundo. Não devemos repetir estes erros", refere o ministro da Economia, e do Partido Verdes, Robert Habeck.

O crescente investimento da China nos portos da Europa tem provocado vários debates no seio da União Europeia. O bloco tem vindo a atribuir cada vez mais importância à proteção das infraestruturas estratégicas desde o início da invasão russa da Ucrânia.

Os líderes europeus estão a tentar encontrar um equilíbrio entre atrair o investimento da China, limitando simultaneamente o seu potencial impacto na vida comercial da UE e nos interesses de segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Investimento chinês em infraestruturas europeias preocupa UE

Perder o mercado chinês teria custos muito elevados para a Alemanha

Borrell compara destruição em Gaza com danos causados nas cidades alemãs na Segunda Guerra Mundial