EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

COP27 arranca em Sharm el-Sheik

Entrada do centro de congressos de Sharm el-Sheik, no Egito, onde decorre a COP27
Entrada do centro de congressos de Sharm el-Sheik, no Egito, onde decorre a COP27 Direitos de autor AHMAD GHARABLI/AFP or licensors
Direitos de autor AHMAD GHARABLI/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Secretário-geral da ONU apela a "ações climáticas ambiciosas e credíveis"

PUBLICIDADE

Temperaturas extremas, incêndios descontrolados, secas prolongadas e migrantes climáticos: a COP27 arrancou em Sharm el-Sheik, no Egito, marcada pela publicação de um relatório alarmante sobre o aquecimento global.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial , se as projeções para 2022 se confirmarem, os últimos oito anos serão os mais quentes desde que há registo.

O secretário-geral da ONU apelou a "ações climáticas ambiciosas e credíveis".

António Guterres, secretário-geral da ONU:"Como constatou claramente a Organização Meteorológica Mundial, a mudança acontece a uma velocidade catastrófica, devastando vidas e subsistência em todos os continentes. Devemos responder ao sinal de alarme do planeta com ações climáticas ambiciosas e credíveis. A COP27 é o lugar e o momento para o fazer."

Mais de 120 chefes de Estado e de governo deverão marcar presença na cimeira do clima na estância balnear egípcia, mas o encontro está também marcado pela ausência de líderes de algumas das maiores economias e poluidores do planeta, como a China, a Rússia ou a Índia.

A COP27 conta também com a presença de especialistas, académicos e representantes de organizações não-governamentais e decorre até ao próximo dia 18.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COP27: UE contra novo fundo para reparações por danos climáticos

Gaza: cerco ao hospital al-Shifa. Prosseguem as negociações de libertação de reféns no Qatar

ONU, Estados Unidos e Egito preocupados com ataques israelitas em Rafah