EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rússia "deportou à força" civis ucranianos, diz Amnistia Internacional

Cidadãos ucranianos a sair do país.
Cidadãos ucranianos a sair do país. Direitos de autor screenshot - Euronews
Direitos de autor screenshot - Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Amnistia Internacional aponta para a existência de crimes de guerra devido à "deportação forçada" de civis, da Ucrânia para a Rússia.

PUBLICIDADE

As autoridades russas "transferiram e deportaram à força" civis de zonas ocupadas da Ucrânia para a Rússia. Esta é a conclusão de um novo relatório da Amnistia Internacional, que denuncia que estes comportamentos podem constituir crimes de guerra ou até mesmo crimes contra a humanidade.

Estas transferências foram feitas com recurso à violência. A Amnistia Internacional fala mesmo em "tortura" e "maus-tratos" e pedem que essas pessoas sejam libertadas.

O relatório intitulado 'Uma caravana prisional: a transferência ilegal de civis na Ucrânia e os abusos durante a Filtragem' foi elaborado com base em entrevistas feitas a 88 pessoas das regiões de Mariupol, Kharkiv, Lugansk, Kherson e Zaporijia

Agnes Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, falou com a Euronews sobre as principais conclusões a que a organização chegou.

"Este relatório fala sobre tragédias familiares. Aborda as separações entre as famílias, quer estejamos a falar de filhos que são obrigados a afastar-se dos pais, quer estejamos a falar de irmãos separados. O documento fala sobre mulheres que perdem os maridos. Foca a transferência forçada, a deportação forçada de ucranianos para territórios controlados pela Rússia, para a própria Rússia, u ma situação que, na nossa opinião, na investigação feita pela Amnistia, equivale a um crime de guerra e a um provável crime contra a humanidade", começou por explicar em entrevista à Euronews.

Agnes Callamard deu depois um exemplo específico de um menino de 11 anos que foi separado da mãe. Os dois nunca mais se voltaram a ver.

"Deixem-me contar-vos a história de um rapaz de 11 anos, que saiu de uma zona perto de Mariupol e se viu num campo de 'Filtragem'. Lá, foi separado da mãe. Ela foi para um quarto diferente. Ele nunca mais voltou a vê-la. Foi levado para Donetsk, território ocupado pela Rússia. Até hoje, ele não sabe o que aconteceu à mãe", recordou.

No relatório é ainda mencionado o facto de a Rússia ter "acelerado o processo de atribuição de cidadania para que as crianças ucranianas possam ser adotadas por famílias russas", o que, segundo esta organização, "também constitui uma violação do direito internacional".

A Amnistia Internacional apela ao Tribunal Internacional para que conduza uma investigação sobre os factos apresentados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Amnistia Internacional alerta para uso indiscriminado de balas de borracha

Zelenskyy anuncia libertação de 41 localidades no sul da Ucrânia

Ucrânia atenta à ameaça bielorrussa