Myanmar vai libertar cerca de seis mil prisioneiros

Myanmar tem vivido várias convulsões na sequência do golpe de Estado
Myanmar tem vivido várias convulsões na sequência do golpe de Estado Direitos de autor Aung Shine Oo/AP
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A iniciativa faz parte de uma amnistia alargada para assinalar o Dia Nacional da Vitória e inclui quatro cidadãos estrangeiros

PUBLICIDADE

Myanmar (antiga Birmânia) anunciou, esta quinta-feira, a libertação de cerca de seis mil prisioneiros, entre eles quatro estrangeiros.

A iniciativa faz parte de uma amnistia alargada para assinalar o Dia Nacional da Vitória.

De acordo com o porta-voz do governo, Zaw Min Ton, serão libertados e deportados o professor australiano SeanTurnell, a embaixadora do Reino Unido no país Vicky Bowman, o realizador japonês Toru Kubota, de 26 anos, e o cidadão americano Kyaw Htay Oo.

Turnell é professor associado de Economia na Universidade Macquarie de Sidney. O homem de 58 anos foi detido num hotel, na cidade de Rangum, e condenado em setembro a três anos de prisão por, alegadamente, violar a lei dos segredos oficiais e a lei de imigração do país.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Austrália saudou a libertação de Turnell, assessor da ex-líder birmanesa Aung San Suu Kyi.

Vicky Bowman, de 56 anos, foi detida em agosto passado com o marido, um cidadão birmanês. De acordo com a agência de notícias France-Presse também será libertado. Bowman foi acusada de crimes de imigração e condenada a um ano de prisão.

Toru Kubota foi detido em julho por polícia à paisana. No ano passado, o realizador japonês de 26 anos foi apanhado a recolher imagens e vídeo de um protesto contra o golpe militar.

Acabou por ser condenado em outubro a dez anos de prisão por, alegadamente, incitar à dissidência contra os militares e violar as leis de telecomunicações do país.

Kyaw, um botânico dos EUA, de origem birmanesa, foi acusado de terrorismo. Acabou por ser condenado a sete anos de prisão por alegados crimes cometidos contra o Estado.

Do grupo de prisioneiros a serem libertados fazem ainda parte 11 personalidades locais, de acordo com a estação de televisão estatal MRTV.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Myanmar assinala Dia das Forças Armadas

"Guerra Fria 2.1": Rússia admite dialogar sem ceder, Ucrânia reitera soberania

UE apela à ordem constitucional no Burkina Faso