No fogo cruzado do Kremlin: A Moldávia luta contra o "inverno russo"

No fogo cruzado do Kremlin: A Moldávia luta contra o "inverno russo"
Direitos de autor euronews
De  Hans von der Brelie
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A empresa russa Gazprom reduziu os fornecimentos de gás. Moscovo está a utilizar a energia como uma arma para desestabilizar o Governo pró-europeu.

PUBLICIDADE

A Moldávia está a enfrentar uma grande crise energética. O fornecimento de eletricidade da Ucrânia tem sido interrompido desde que as centrais elétricas, daquele país, foram bombardeadas pela Rússia. A empresa russa Gazprom reduziu os fornecimentos de gás à região separatista da Transnístria, que produzia a maior parte da eletricidade moldava. Os apagões são cada vez mais frequentes. Moscovo está a utilizar a energia como uma arma para desestabilizar o Governo pró-europeu. Os residentes tomaram as ruas da capital Chisinau, apelando à demissão do Executivo.

O partido influenciado por Moscovo Șor por detrás dos protestos

Veronica Dragalin, procuradora-chefe anticorrupção, afirma que "certos partidos políticos na Moldávia foram financiados através dos serviços secretos russos". Dragalin disse-nos que os investigadores encontraram vinte sacos negros com o equivalente a cerca de 200.000 euros em dinheiro.

Isto prova, segundo ela, que as manifestações são financiadas pelo partido influenciado por Moscovo, o Șor. O seu líder, o oligarca populista Ilan Șor, está a monte. Ele é acusado de fazer parte de uma fraude bancária de mil milhões de dólares.

O presidente do distrito de Orhei, Dinu Turcanu, e membro do partido Șor, é o alegado organizador dos protestos. "Ilan Șor disse publicamente, que este dinheiro deveria ter sido utilizado para cobrir certas despesas do partido e das pessoas que se manifestaram. Não há nada de ilegal nisso", diz Dinu Țurcanu.

A Moldávia volta-se para a Europa para diversificar o seu fornecimento de eletricidade e gás...

A dependência energética da Moldávia em relação à Rússia remonta à era soviética. No entanto, os governos têm tentado ao longo dos anos diversificar o abastecimento energético do país. Um novo gasoduto proveniente da Roménia torna a Moldávia menos dependente. Existem também planos para a construção de várias linhas de alta tensão para a Europa Ocidental, mas a compra de eletricidade no caro mercado europeu à vista não é uma solução sustentável.

...e para procurar fundos

Andrei Spînu, vice-primeiro-ministro da Moldávia, responsabiliza a Gazprom pela crise energética. Ele está convencido de que o Fundo de Redução da Vulnerabilidade permitirá "às pessoas pagar o seu consumo de gás, eletricidade ou aquecimento".  O Fundo de 250 milhões de euros é financiado pela União Europeia e dá prioridade às famílias vulneráveis.

É assim que a família Beschier, na aldeia de Todirești, recebeu três metros cúbicos de lenha por uma tarifa reduzida. Têm um aquecedor a gás novinho em folha, mas era demasiado caro ligá-lo. Agora temem que a lenha não dure durante o Inverno.

A família utiliza, também, gás subvencionado pela UE para cozinhar. Os Beschiers estão preocupados com as suas contas de eletricidade, que mais do que duplicaram desde março de 2022. A Moldávia tem a taxa de inflação mais elevada da Europa, situando-se atualmente nos 34%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PM da Moldávia preocupada com ações da Rússia para minar estabilidade

Moldávia sem perigo iminente de conflito militar mas sob ameaça russa ao Estado

Alemanha volta a abrir centrais a carvão mas não descura a transição energética