EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Sem aquecimento ou com edredões gratuitos face à crise energética

Grégoire Wallenborn, participante da experiência "Slowheat"
Grégoire Wallenborn, participante da experiência "Slowheat" Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP or licensors
Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Da Bélgica à Finlândia, multiplicam-se as iniciativas de privados e autoridades locais para responder ao forte aumento dos preços das energias

PUBLICIDADE

Por toda a Europa, multiplicam-se as iniciativas face à crise energética. 

Na Bélgica, Grégoire Wallenborn participa na experiência "Slowheat", destinada a ver se é possível viver com um mínimo de conforto sem aquecimento central. 

A palavra de ordem é aquecer o corpo e não a casa, como explica Grégoire:

"Há questões de hábito que são tanto fisiológicas como mentais. Isso significa que podemos suportar coisas que nunca tinhamos pensado possíveis. Mas é preciso fazê-lo gradualmente, cada um no seu ritmo. Não há uma receita universal."

Em Tonerre, no centro de França , os métodos são mais convencionais. 

A autarquia decidiu distribuir edredões aos habitantes que se viram obrigados a reduzir o aquecimento para fazer face ao forte incremento dos preços das energias.

Na Finlândia, um ringue de hóquei em patins às escuras é outra das imagens da crise energética.

A equipa de hóquei de Olu, localidade próxima do círculo polar ártico, foi obrigada a deixar o conforto de um espaço coberto e passou a treinar num recinto exterior público, para reduzir a fatura de eletricidade do clube.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia pode rever águas territoriais no Báltico

Partido dos Finlandeses expulsa deputado por alegado envolvimento num tiroteio

Finlândia prolonga indefinidamente encerramento da fronteira com a Rússia