EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Papa condena "guerra insensata" na Ucrânia

Papa Francisco
Papa Francisco Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na tradicional mensagem de Natal, Francisco pediu o silêncio das armas

PUBLICIDADE

Na tradicional mensagem de Natal, o Papa lembrou a importância da paz e pediu o "silêncio de armas" na Ucrânia. "Infelizmente, as pessoas preferem ouvir outros argumentos ditados pela lógica do mundo", lamentou Francisco, observando "com tristeza que os ventos da guerra continuam a soprar frio sobre a humanidade".

Antes da bênção "Urbi et Orbi" ("à cidade e ao mundo"), o o líder espiritual da Igreja Católica, revelou a sua visão geral dos conflitos no mundo, nomeando dez países afetados pela violência ou tensão, que descreveu como "teatros desta terceira guerra mundial".

Entre eles estão o Afeganistão, o conflito israelo-palestiniano, o Iémen, a Síria, Myanmar, mas também o Líbano, que enfrenta uma crise económica e social sem precedentes, e o Haiti, onde mais de 1.400 pessoas foram mortas este ano de acordo com a ONU.

Este domingo, pela primeira vez, o Papa mencionou o Irão, que tem sido atingido por uma onda de protestos sem precedentes desde a Revolução Islâmica de 1979. As manifestações levaram à detenção de cerca de 14.000 pessoas desde meados de setembro, segundo a ONU, e 469 manifestantes foram mortos, de acordo com a organização de Direitos Humanos do Irão (IHR), sediada em Oslo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Há 10 anos começava uma "pequena grande revolução" na Igreja Católica

Papa Francisco aproveita fim de semana para voltar a ser Jorge Bergoglio em família

Papa fragilizado na audiência semanal