EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Sem véu xadrezistas iranianas desafiam governo islâmico

Iraniana Sara Khadem nos Mundiais de partidas rápidas de Xadrês sem o hijab
Iraniana Sara Khadem nos Mundiais de partidas rápidas de Xadrês sem o hijab Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Nara Madeira
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Xadrezistas iranianas desafiam governo de Teerão não usando véu islâmico em competição no Cazaquistão.

PUBLICIDADE

Sem hijab, foi assim que Sara Khadem e Atousa Pourkashiyan importantes jogadoras de Xadrez, nascidas no Irão, se apresentaram no Campeonato do Mundo de Xadrez Rápido e Blitz, que decorreu no Cazaquistão. Um gesto que está a ser visto como de protesto contra a repressão governamental, como fizeram outras figuras públicas do país.

O que distingue as duas jovens é que Sara representou o Irão, e tem mais a perder por não usar o véu,  obrigatório segundo o código de vestuário islâmico feminino, do que Atousa que se apresentou pelos Estados Unidos.

A posição de Sara Khadem mudou desde 2016 quando, e durante uma competição onde se apelava ao boicote ao hijab, como forma de protesto, a jovem se dizia habituada a usá-lo e desvalorizava a situação.

Da morte de Amini aos protestos sangrentos

Em setembro, com a morte às mãos da polícia da moral de Mahsa Amini, por alegadamente violar o referido código, eclodiram protestos em várias cidades do país. Manifestações que se transformaram num grito pelo fim do atual regime. Um dos desafios mais fortes e duradouros à teocracia iraniana desde os anos caóticos que se seguiram à Revolução Islâmica de 1979.

A repressão não se fez esperar. De acordo com organizações de defesa dos Direitos Humanos pelo menos 506 pessoas foram mortas e 18.000 detidas, entre elas figuras públicas iranianas.

Taraneh Alidoosti, uma das atrizes mais famosas do país, está detida por difundir informações falsas sobre os protestos. O principal sindicato de trabalhadores da indústria cinematográfica do Irão, a "Casa do Cinema", fala em 13 atrizes na prisão na sequência dos protestos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hajj: milhões de muçulmanos em Meca para a grande peregrinação

Irão executa um segundo participante nos protestos

Protestos no Irão continuam apesar de pressão das autoridades