EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mafioso foragido há 16 anos detido em França

França e Itália partilharam informação graças ao projeto I-Can
França e Itália partilharam informação graças ao projeto I-Can Direitos de autor AP/AP
Direitos de autor AP/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Um alegado mafioso que estava há 16 anos em fuga foi preso em Saint-Étienne, em França, anunciou a Interpol. Edgardo Greco, 63 anos, alegado membro da máfia calabresa - a 'Ndrangheta - foi detido esta quinta-feira de manhã.

PUBLICIDADE

Um alegado mafioso que estava há 16 anos em fuga foi preso em Saint-Étienne, em França, anunciou a Interpol.

Edgardo Greco, 63 anos, alegado membro da máfia calabresa - a 'Ndrangheta - foi detido esta quinta-feira de manhã.

Foi condenado a prisão perpétua por dois assassinatos cometidos em janeiro de 1991 e uma tentativa de homicídio em julho de 1991.

Greco foi preso pela polícia francesa com base em informações fornecidas pelos carabinieri italianos, compartilhadas entre os dois países parceiros graças ao projeto I-Can (cooperação da Interpol contra a 'Ndrangheta).

O ministro italiano do Interior, Matteo Piantedosi, disse estar muito satisfeito com a importante operação conjunta.

“A atividade de aplicação da lei é incessante, silenciosa dia após dia, em Itália e no estrangeiro, num trabalho contínuo para garantir a segurança dos cidadãos”, disse Piantedosi no Twitter. “A forte ação do Estado contra todas as formas de crime organizado” vai continuar “com determinação”.

Edgardo Greco trabalhava como pizzaiolo numa pizzaria em Saint-Etienne, sob o nome de Paolo Dimitri - identidade de um criminoso da Puglia, segundo a agência de notícias italiana AGI.

Era alegadamente membro do clã Perna-Pranno, que era o mais importante da cidade de Cosenza, onde morava.

"É considerado co-responsável pela emboscada de 5 de janeiro de 1991 que custou a vida dos irmãos Stefano e Giuseppe B. que queriam maior autonomia e consideração entre os clãs de Cosenza", lê-se num comunicado de imprensa dos Carabinieri italianos.

As vítimas foram mortas "com barras de ferro num armazém de pesca (...) e os seus corpos desapareceram e nunca foram encontrados", explica o press release.

No mês passado, os Carabinieri prenderam Matteo Messina Denaro, o mafioso mais procurado de Itália, que foi encontrado escondido em Palermo, na Sicília, após 30 anos foragido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Turistas retidos na Nova Caledónia começam a ser evacuados. Independentistas apelam aos protestos

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições