EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Erdoğan enfrenta pressão crescente quando número de mortos chega aos 20 mil

Presidente turco visitou cidade de Kahramanmaras, no sudeste da Turquia dias depois do sismo que afetou a região.
Presidente turco visitou cidade de Kahramanmaras, no sudeste da Turquia dias depois do sismo que afetou a região. Direitos de autor ADEM ALTAN/AFP or licensors
Direitos de autor ADEM ALTAN/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Chefe de Estado turco tem sido alvo de várias críticas. Enfrenta um dos maiores testes em décadas de governação, em plena contagem decrescente para as eleições presidenciais

PUBLICIDADE

De visita às áreas afetadas pelo sismo devastador de segunda-feira, o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, enfrentou um teste a duas décadas de governação.

No terreno, deparou-se com um cenário apocalíptico. Casas arrasadas, ruas repletas de escombros e famílias desoladas.

Neste momento, contam-se mais de 14 mil vítimas mortais na Turquia e milhares de feridos.

De acordo com o presidente, desabaram ainda 6444 edifícios em dez províncias do sudeste do país.

A três meses das eleições presidenciais, Erdoğan anunciou ajuda económica imediata para apoiar as vítimas.

"Enquanto a avaliação dos danos está em andamento, neste momento de transição recompensaremos os nossos cidadãos com uma ajuda económica de 10 mil liras, [cerca de 500 euros]. Com este tipo de apoio, queremos, pelo menos, aliviar um pouco os problemas das pessoas."
Recep Tayyip Erdoğan
Presidente da Turquia

O presidente turco reconheceu deficiências na resposta do governo, mas prometeu que ninguém ficaria na rua.

Erdoğan tem sido duramente criticado por sobreviventes do terramoto na Turquia.

Alguns dizem que tiveram de encontrar um teto e alimentos pelos próprios meios. Outros queixam-se que tiveram de aceitar - impotentes - à morte de familiares debaixo dos escombros.

As críticas contra a corrupção no país também dispararam. Muitos não entendem como foi possível construir de forma desenfreada, sem respeito pelas técnicas de construção antissísmica.

Também não percebem que se tenham fechado os olhos a construções classificadas como não seguras.

O sismo de magnitude 7,8 na escala aberta de Richter atingiu na segunda-feira o sudeste da Turquia mas também o norte da vizinha Síria. Foi seguido de várias réplicas, umas das quais de magnitude 7,5.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Responsáveis da discoteca que ardeu em Istambul detidos para interrogatório

Incêndio em discoteca de Istambul faz dezenas de mortos