EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Mobile World Congress: Barcelona vislumbra o 6G no horizonte

Dilemas a debater há muitos: como a proteção dos dados pessoais
Dilemas a debater há muitos: como a proteção dos dados pessoais Direitos de autor Joan Mateu Parra/AP
Direitos de autor Joan Mateu Parra/AP
De  Marta Rodriguez Martinez
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O 6G vai permitir a transmissão de até um terabyte por segundo e uma latência de 0,1 milissegundos, ou seja, será dez vezes mais rápida do que o 5G

PUBLICIDADE

Estudantes de Medicina a ensaiarem operações com pacientes projetados em hologramas. Aplicações que identificam as pessoas pelo ritmo cardíaco. Já sabemos que a realidade pode parecer ficção científica, mas o Mobile World Congress, em Barcelona, vem recordar-nos uma vez mais. No horizonte, sobressai uma data para termos acesso ao 6G: 2030.

"Quando fiz a proposta pela primeira vez, as pessoas ficaram chocadas, porque o 6G ainda não está definido. Como é que se lança um satélite sem saber como funciona a rede? E a minha resposta é que não sabemos. O que sabemos é uma série de tecnologias e de componentes básicos. E com isso estamos a construir um satélite experimental, uma espécie de laboratório, que em vez de estar em terra, estará em órbita, para o podermos testar de uma forma realista juntamente com as redes terrestres", explica Xavier Lobao, chefe da Divisão de Projetos de Telecomunicações Futuras da Agência Espacial Europeia.

O 6G vai permitir a transmissão de até um terabyte por segundo e uma latência de 0,1 milissegundos, ou seja, será dez vezes mais rápida do que o 5G. Alguns especialistas falam em consumos de energia mais reduzidos e numa atividade digital potencialmente mais sustentável.

Segundo Nicolas Kourtellis, codiretor da Telefónica Research, "não é preciso passar muito tempo a recalcular ou a recolher manualmente dados, não se tem de dedicar muito tempo a esses processos".

Tony Yong Jin, vicepresidente da Huawei Europa, diz que "está tudo numa fase inicial, mas a Huawei já começou a investir no 6G desde 2017, quando o 5G ainda não tinha arrancado comercialmente. Continuamos a debater caraterísticas, arquiteturas. Mas uma coisa é certa: o 6G é mais do que comunicações".

Dilemas a debater há muitos: como a proteção dos dados pessoais. Nicolas Kourtellis realça que "vamos entrar numa nova era na qual as coisas serão mais automatizadas, o que significa que haverá menos assistência, digamos, da parte de humanos. Por isso, temos de garantir que esses pontos de referência estejam protegidos."

Para a jornalista Marta Rodríguez, "o 6G vai permitir integrarmo-nos completamente em mundos virtuais, levando as fronteiras do digital até novos limites que ainda não conseguimos imaginar".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Navio de cruzeiro com 1500 passageiros retido em Barcelona porque 69 bolivianos têm vistos falsos

Dani Alves libertado sob fiança após pagar caução de um milhão de euros

Tribunal suspende bloqueio do Telegram em Espanha