Do aborto ao clima: Conheça as ativistas que marcam o ritmo na Europa

Da esquerda para a direita: Zanna Vanrenterghem, Anastasiia Yeva Domani, Taya Gerasimova e Marta Lempart.
Da esquerda para a direita: Zanna Vanrenterghem, Anastasiia Yeva Domani, Taya Gerasimova e Marta Lempart. Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As mulheres que lideram a luta por causa no Velho Continente

PUBLICIDADE

A igualdade de género ainda está "a 300 anos de distância": é o alerta das Nações Unidas, no momento em que se comemora o Dia Internacional da Mulher.

Na segunda-feira, durante a sessão de abertura da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, afirmou que os direitos da mulher estão também a ser "abusados, ameaçados e violados em todo o mundo."

"Mulheres e raparigas foram apagadas da vida pública."

Mas, apesar do que as probabilidades sugerem, há ainda muitas mulheres que lideram a luta por aquilo em que acreditam e na esperança de um mundo melhor.

AP Photo
Marta Lempart num protesto exigindo o direito ao aborto, Varsóvia, Polónia.AP Photo

A luta pelo direito ao aborto na Polónia

Um dos "lugares mais perigosos para uma mulher grávida na Polónia é o hospital". Segundo Marta Lempart, uma ativista que fundou o All-Poland Women's Strike.

Ela é apenas uma das milhares de ativistas na Polónia que tentam tornar os cuidados de saúde reprodutiva mais acessíveis. O país é frequentemente classificado entre os lugares mais difíceis de conseguir um aborto legal na União Europeia.

E porque é que ela considera os hospitais tão perigosos? "Os médicos vão colocar a vida [da mãe] e os seus direitos abaixo dos direitos do feto", disse Lempart.

"Eles nem sequer lhe proporcionarão um aborto legal."

No país da Europa de Leste, o procedimento foi quase completamente proibido. E a algumas mulheres grávidas em situações extremas foi negado tratamento eficaz, a fim de proteger o feto.

Lempart argumentou que devido ao trabalho realizado pelos ativistas ainda há esperança na Polónia.

Quando iniciou o seu trabalho em 2016, o apoio à legalização dos abortos foi de cerca de 37%. Mas esse número cresceu desde então para 70%, indicam as sondagens.

Marta Lempart acrescenta que existem, "agora, dois mundos" para as pessoas que querem ter acesso aos abortos no país.

"Temos este sistema [subterrâneo], um sistema que sempre esteve presente", disse ela.

"Mas já nem sequer é subterrâneo". É um sistema totalmente funcional que fornece às mulheres cuidados reprodutivos [...] Após os protestos em 2020, todos sabem o número de abortos sem fronteiras.

"Tornou-se como um desporto nacional para colocar o seu número em todo o lado".

Apoio à comunidade trans da Ucrânia

Quando a guerra na Ucrânia começou, o apartamento de Anastasiia Yeva Domani tornou-se um centro humanitário para a comunidade trans do país.

"O nosso objectivo não era mobilizar a comunidade, não era defender ou alterar a legislação, mas ajudar as pessoas primeiro, com alimentos, dinheiro, hormonas e medicamentos", disse Domani, a co-fundadora da Cohort, à Euronews.

Para algumas mulheres trans que vivem na Ucrânia, a ajuda também pode significar apoio jurídico. Isto porque muitos membros da comunidade trans têm identificadores de género na sua documentação que não correspondem aos seus géneros reais - tais como as mulheres trans que têm identificadores de género masculino nos seus documentos.

PUBLICIDADE

Isto pode causar problemas às mulheres transexuais que tentam fugir da Ucrânia devido à proibição de homens de idade militar deixarem o país. E também pode criar desafios quando se trata de ordens de mobilização para se alistarem no exército.

Anastasiia Yeva Domani
Anastasiia Yeva Domani, co-fundadora da Cohort, organização que defende a comunidade trans da Ucrânia.Anastasiia Yeva Domani

"Há cidades onde foram dadas muitas ordens de mobilização. E assim as pessoas têm medo até de sair para a rua ou em qualquer lugar público", disse ela.

Por causa disto, a organização está a ajudar estas mulheres a obter apoio legal para retirar os seus nomes do registo militar da Ucrânia ou para obter os documentos certos para se deslocarem para o estrangeiro.

Domani está também a ajudar a formar a próxima geração de ativistas trans em discurso público, fundamentos de advocacia e apoio legal.

No início da invasão da Ucrânia pela Rússia, entre 1.000 e 2.000 membros da comunidade trans da Ucrânia puderam deixar o país. Mas, muitos deles eram ativistas dos direitos humanos, deixando um vazio que precisava de ser preenchido.

PUBLICIDADE

Para tal, Domani está a ajudar a organizar duas conferências em Kiev e Lviv mais para o fim de Março. "Sob os blackouts dos ataques de foguetes, estamos a tentar investir nas crianças e instruir não só a comunidade trans, mas também os nossos aliados", disse.

Em defesa do clima

Como muitas pessoas da sua geração, Zanna Vanrenterghem começou a interessar-se pelo ativismo climático quando viu An Inconvenient Truth, um documentário inspirado pelo ex-vice-presidente dos EUA Al Gore.

Depois juntou-se a um grupo de ativistas climáticos na Bélgica chamado Climate Express antes de se tornar líder de projecto no Greenpeace Bélgica - um grupo que está a tentar afastar o país dos combustíveis fósseis.

Zanna Vanrenterghem
Zanna Vanrenterghem, attivista da Greenpeace na BélgicaZanna Vanrenterghem

Os efeitos das alterações climáticas têm-se tornado cada vez mais óbvios na Europa, levando cada vez mais pessoas a envolverem-se no ativismo. "Nunca vi tanta gente defender o clima", disse à Euronews.

"Nunca vi tantos avós, jovens e adolescentes a tentarem ativamente mudar alguma coisa".

PUBLICIDADE

Nos últimos 40 anos, acontecimentos relacionados com o clima causaram mais de 487 mil milhões de euros de perdas no bloco europeu, de acordo com a União Europeia. E, nos últimos 40 anos, pensa-se que mais de 138.000 pessoas morreram devido a eventos naturais extremos relacionados com o clima na Europa.

"Há muito poucas pessoas que estão agora vivas na Europa e que não experimentaram uma enorme quantidade de ondas de calor, incêndios florestais ou seca", acrescentou. "Basta abrir o laço e ver que as alterações climáticas estão a acontecer, e isto está a afectar, até certo ponto, os meios de subsistência de todos os europeus".

Mas, salientou, é também importante ter uma abordagem interseccional ao activismo climático.

"O nosso sistema económico é construído na desigualdade estrutural, desigualdade entre homens e mulheres, desigualdade entre classes mais ricas e classes mais pobres."

"E essa desigualdade estrutural é algo que precisamos de desmantelar porque enquanto isso fizer parte do sistema, não há maneira de conseguirmos estar todos alinhados para enfrentar [as alterações climáticas]

PUBLICIDADE

Mudança de atitudes na Ucrânia

Para muitos ativistas na Ucrânia, como Taya Gerasimova, a guerra causou uma transformação drástica tanto na forma como trabalham como nas atitudes do público em relação às mulheres.

Gerasimova é membro da Women's March Ukraine, um grupo que organizou regularmente marchas pelos direitos das mulheres antes da invasão em grande escala. O seu principal objetivo na altura: levar Kiev a ratificar a Convenção de Istambul, um tratado internacional que exige que as nações combatam ativamente os abusos domésticos

Uma vez iniciada a guerra, transformou-se rapidamente num centro humanitário, respondendo a mais de 35.000 pedidos de ajuda, criando três novos abrigos e ajudando cerca de 7.000 pessoas a encontrar alojamento no estrangeiro.

Taya Gerasimova
Taya Gerasimova, membro da Women's March UkraineTaya Gerasimova

Mas enquanto Gerasimova descreveu as mulheres como "o grupo mais vulnerável na Ucrânia" - especialmente se elas estão a cuidar de muitas crianças, idosos ou pessoas com deficiência - ela acrescentou que também testemunhou uma mudança nas atitudes sexistas durante o ano passado.

Em 2018, 29% das pessoas que responderam a um inquérito realizado pela ONG ucraniana Insight concordaram com a declaração: "As mulheres devem obedecer sempre aos seus maridos".

PUBLICIDADE

Em 2022, esse número caiu para 8%. Uma coisa semelhante aconteceu para outras questões, tais como "Uma mulher deve realizar todos os trabalhos domésticos e ser uma boa dona de casa em qualquer caso" - com 43% dos inquiridos a concordar com a declaração em 2018 e apenas 2% a fazer o mesmo em 2022.

Esta mudança, de acordo com Gerasimova, deve-se em parte ao facto de "as mulheres se terem tornado um pouco mais visíveis na vida social [durante a guerra]. Há agora muitas mulheres voluntárias, mulheres que se alistam no exército e que se voluntariam para ajuda humanitária", disse ela.

Outra razão, argumentou ela, é que os organizadores começaram a dizer, "se nos opomos à Rússia, temos de nos opor também a estes velhos valores tradicionais".

E acrescentou que, em vez de avançar para os "valores russos", o público deveria avançar na direcção oposta "para a igualdade de género e os valores europeus".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cinco factos que precisa de saber sobre o Dia Internacional da Mulher

Espanha quer pelo menos 40% de mulheres nos centros de decisão

Violência de Género em destaque na W20