Espanha quer pelo menos 40% de mulheres nos centros de decisão

Vice-primeira-ministra de Espanha, Nadia Calviño
Vice-primeira-ministra de Espanha, Nadia Calviño Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Espanha avança a caminho da paridade, projeto de lei exige pelo menos 40% de mulheres nos centros de decisão

PUBLICIDADE

O Governo espanhol aprovou um projeto de lei que garante a paridade nos centros de decisão política, profissional e económica.

O regulamento exige a inclusão de pelo menos 40% de mulheres nas listas eleitorais, na composição do Governo, e nos conselhos de administração das grandes empresas.

"As empresas cotadas terão de assegurar que os seus conselhos de administração têm pelo menos 40% de pessoas do sexo menos representado, antes do dia 1 de Julho de 2024. Nos cargos de direção, deverão assegurar e ajustar os processos de seleção também para alcançar este objetivo," revelou a vice-primeira-ministra de Espanha, Nadia Calviño.

Em 2017, o Parlamento espanhol tornou-se o parlamento mais feminino da Europa, com 47% de mulheres, embora a percentagem tenha caído para 42%. O regulamento, que alguns afirmam não ser mais do que uma transposição de uma diretiva europeia, prevê sanções financeiras para os infratores e abre uma semana cheia de atos reivindicativos em favor dos direitos das mulheres.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanhóis escolhem a direita nas eleições municipais e regionais

Viagra para mulheres? Adesivo de testosterona para a perda do impulso sexual na menopausa

Do aborto ao clima: Conheça as ativistas que marcam o ritmo na Europa