Pelo menos oito mortos em ataque russo a zona residencial de Sloviansk

As autoridades ucranianas continuam à procura de sobreviventes
As autoridades ucranianas continuam à procura de sobreviventes Direitos de autor Roman Chop/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente Zelenskyy descreve a Rússia como um "Estado do mal"

PUBLICIDADE

O bombardeamento russo de um edifício residencial na cidade ucraniana de Sloviansk, na região de Donetsk, fez pelo menos oito mortos, incluindo uma criança de dois anos, e 21 feridos.

De acordo com o governador local, Pavlo Kirilenko, ainda haverá pessoas soterradas debaixo dos escombros.

As autoridades ucranianas continuam à procura de sobreviventes.

O presidente Volodymyr Zelenskyy descreveu a Rússia como ""um Estado do mal."

"As operações de resgate estão em curso em Sloviansk, na região de Donetsk. Este foi outro ataque terrorista. Mísseis antiaéreos S-300 foram disparados contra áreas residenciais, em edifícios civis comuns. Há pessoas debaixo dos escombros. Estamos a fazer tudo para salvá-las. Estamos a fazer tudo para salvar os feridos. Temos as primeiras informações sobre os mortos. As minhas condolências a todos os que perderam os seus entes queridos", lamentou o presidente da Ucrânia.

Zelenskyy acrescentou: "haverá a justa responsabilidade para cada manifestação de terrorismo. (...) Não deixaremos um único vestígio da Rússia na nossa terra. E também não deixaremos nenhum inimigo impune."

Sloviansk encontra-se numa zona da região de Donetsk sob controlo ucraniano, 45 quilómetros a noroeste de Bakhmut, perto do território controlado pelas forças russas.

Enquanto as tropas russas tentam avançar, as forças ucranianas preparam-se para uma contra-ofensiva destinada a recuperar territórios ocupados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ISW: Ucrânia conseguiu reduzir significativamente as atividades da Rússia no Mar Negro

Ataques russos com drones e mísseis matam cinco civis na Ucrânia

31 000 soldados ucranianos mortos desde o início da invasão russa