EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Zelenskyy pede em Haia "justiça em larga escala"

Zelenskyy visita base militar em Soesterberg, Países Baixos
Zelenskyy visita base militar em Soesterberg, Países Baixos Direitos de autor Yves Herman/Reuters
Direitos de autor Yves Herman/Reuters
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente ucraniano está de visita aos Países Baixos, para discutir apoios à Ucrânia.

PUBLICIDADE

Depois da Finlândia foi a vez de os Países Baixos receberem uma visita de Volodymyr Zelenskyy. O presidente ucraniano esteve esta quinta-feira, durante a manhã, em Haia, numa visita sem aviso prévio ao Tribunal Penal Internacional (TPI).

Zelenskyy tem-se manifestado contra a criação de um tribunal híbrido para julgar os crimes de guerra na Ucrânia. 

O TPI emitiu em março um mandado de captura a Vladimir Putin, mas não tem competências para julgar a Rússia, uma vez que o país que não é signatário do Estatuto de Roma

Face à impossibilidade de os crimes de guerra na Ucrânia virem a ser julgados em Haia, o líder ucraniano defendeu, esta manhã, a criação de um "tribunal especial", para que haja "justiça em larga escala" e não uma "impunidade híbrida".

Zelenskyy "realista" sobre entrada para a NATO

Já da parte da tarde, o presidente ucraniano deu uma conferência de imprensa ao lado de primeiro-ministro neerlandês, Mark Rutte, e do homólogo belga, Alexander de Croo.

Em declarações aos jornalistas, Zelenskyy mostrou-se conformado com o facto de a Ucrânia permanecer de fora da NATO durante a guerra, mas apelou à clareza dos aliados quanto à entrada após a guerra.

"Somos realistas, sabemos que não vamos estar na NATO durante a guerra. Mas durante a guerra queremos obter uma mensagem muito clara de que estaremos na NATO depois da guerra", afirmou o líder ucraniano.

Mark Rutte fez questão de assinalar o simbolismo da presença de Zelenskyy a 04 de maio, dia em que os Países Baixos celebram a libertação das forças nazis, durante a II Guerra Mundial, para estabelecer um paralelismo com a Ucrânia e manifestar solidariedade para com o país invadido.

"A Rússia não pode ganhar esta guerra e deve ser responsabilizada por todos os crimes de agressão e pela injustiça que infligiu ao povo da Ucrânia, dia após dia, nesta guerra horrível. Por isso, que melhor lugar para nos encontrarmos do que aqui, em Haia, a capital jurídica do mundo"

Zelenskyy reconheceu ainda haver algumas divergências na negociações de equipamento militar à Ucrânia, garantindo que a discussão está em aberto.

A par de outros países europeus, os Países Baixos têm mostrado relutância em ceder F-16 à Ucrânia. E, apesar de a decisão ainda está por tomar, Mark Rutte reconheceu haver já "alguns progressos" .

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kremlin acusa Ucrânia de tentar matar Putin mas Kiev desmente

Reunião da NATO vai abordar o pedido de adesão da Ucrânia

Mark Rutte presumível sucessor de Stoltenberg como chefe da NATO