EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

TPI investiga crimes de guerra na Ucrânia

Karim Khan, procurador do Tribunal Penal Internacional, numa reunião informal com o Conselho de Segurança da ONU
Karim Khan, procurador do Tribunal Penal Internacional, numa reunião informal com o Conselho de Segurança da ONU Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Procurador geral do Tribunal Penal Internacional defende que direito internacional não pode ser um "espectador passivo".

PUBLICIDADE

As várias entidades que investigam as atrocidades cometidas na Ucrânia reuniram-se, esta quarta-feira, numa sessão informal do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com o objetivo de avaliar o ponto de situação dos inquéritos realizados para averiguar a existência de crimes de guerra na Ucrânia.

De acordo com o procurador do Tribunal Penal Internacional, Karim Khan, não restam dúvidas de que o país é um "cenário de crime", perante o qual o direito internacional não pode ser um "espectador passivo", e de que a verdade da guerra tem de ser apurada.

Um trabalho que, diz Karim Khan, se faz "arregaçando as mangas, trabalhando, conduzindo esforços de investigação à moda antiga, usando tecnologia moderna, aproveitando tecnologias, de satélite, radar ou interceção, e combinando-as para ver o que parece ser verdade".

"E a grande salvaguarda da justiça internacional, não se deve a uma testemunha em particular. Não se deve a uma autoridade nacional de acusação particular. Não se deve a mim. Há juízes acima de nós, juízes independentes que irão avaliar e pesar as provas e, em última análise, fazer determinações", acrescentou ainda o procurador do TPI.

ONU trabalha na criação de corredores humanitários

Pelas contas da Organização das Nações Unidas (ONU), morreram já com a guerra na Ucrânia mais de 2.700 civis. Juntamente com o Comité Internacional da Cruz Vermelha, a ONU espera concluir até sexta-feira a retirada dos que permanecem nas imediações da fábrica da Azovstal, em Mariupol, um dos cenários de guerra mais delicados deste conflito.

A missão espera contar com a influência de António Guterres, esta quinta-feira, em Kiev, para ser concretizada, após a passagem do secretário-Geral das Nações Unidas por Moscovo, onde falou já com Vladimir Putin.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA responsabilizam Rússia pelas mortes na prisão de Olenivka

Amnistia Internacional diz que tropas russas cometeram crimes de guerra na Ucrânia

OSCE termina missão na Ucrânia por decisão da Rússia