Europa precisa de defesa aérea própria para evitar dependência dos EUA, diz Macron

Aermacchi M-346 em exibição durante o "Paris Air Show" em Le Bourget, norte de Paris, França, segunda-feira, 19 de junho de 2023.
Aermacchi M-346 em exibição durante o "Paris Air Show" em Le Bourget, norte de Paris, França, segunda-feira, 19 de junho de 2023. Direitos de autor Lewis Joly/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Lewis Joly/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Presidente francês reiterou o apelo ao desenvolvimento de um sistema de defesa europeu independente.

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron apelou, esta segunda-feira, aos países europeus para procurarem ter mais independência na defesa do espaço aéreo, de forma a evitar a excessiva ligação aos EUA.

O presidente francês defendeu a construção europeia da própria estratégia de proteção do espaço aéreo – um tema recorrente atendendo ao sentido de urgência criado pela guerra na Ucrânia – durante o discurso de encerramento de uma conferência em Paris.

“Precisamos saber qual é a situação de ameaça … E então, o que é que nós, europeus, somos capazes de produzir? E o que precisamos depois, comprar?", sublinhou Macron.

O presidente francês também se manifestou contra a compra imediata "do que está nas prateleiras.”

O debate incluiu o combate anti-drone e a defesa contra mísseis balísticos, disseram os organizadores franceses, observando que a invasão russa da Ucrânia evidenciou a importância e eficácia de tais equipamentos. A dissuasão de armas nucleares também esteve na agenda da conferência.

O encontro contou com a presença de diplomatas da Alemanha, Reino Unido e Suécia, e de representantes de países vizinhos da Ucrânia como a Polónia, Eslováquia, Hungria e Roménia, além de representantes da NATO e da União Europeia.

Macron pressionou os fabricantes europeus de equipamentos de defesa a construir sistemas militares independentes e a realocar a produção para o velho continente.

A estandardização dos EUA resultou na dependência europeia do país, disse Macron, defendendo "padrões europeus aprimorados.”

"Os americanos estandardizaram muito mais do que nós e têm agências federais que fornecem subsídios massivos aos seus fabricantes”, acrescentou.

O sistema de defesa terra-ar de médio alcance MAMBA, desenvolvido por França e Itália, “está agora implantado e operacional na Ucrânia, protegendo instalações e vidas importantes”, ressalvou.

A entrega do sistema a Kiev foi anunciada por Paris e Roma em fevereiro.

“É realmente a Europa a proteger a Europa”, insistiu Macron.

O sistema MAMBA já faz parte da defesa aérea e antimísseis integrada da NATO.

França tem criticado abertamente os planos liderados pela Alemanha para melhorar as capacidades europeias de defesa aérea.

O projeto "Escudo do Céu Europeu" (European Sky Shield), lançado no final do ano passado, é composto por 17 nações europeias, incluindo o Reino Unido, mas não França.

O governo francês acredita que o projeto não preserva adequadamente a soberania europeia, porque se espera que seja amplamente baseado na indústria dos EUA e de Israel.

Prevê-se que o plano liderado pela Alemanha inclua o sistema antimísseis israelita Arrow 3 e se baseie nas capacidades existentes dos mísseis Patriot dos EUA. Propõe-se a integração nos sistemas de defesa aérea e antimísseis da NATO.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio na Notre-Dame foi há 5 anos

Líderes da União Europeia condenam ataque do Irão a Israel e apelam à contenção

Cerimónia histórica: guardas britânicos no Eliseu e franceses no Palácio de Buckingham