EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Três quartos dos russos apoiam a intervenção militar na Ucrânia

Três quartos dos russos apoiam a intervenção militar na Ucrânia
Três quartos dos russos apoiam a intervenção militar na Ucrânia Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/The AP
Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/The AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Sondagem do Centro Yuri Levada revela que a taxa de aprovação se mantém estável desde o início da guerra

PUBLICIDADE

Três quartos dos russos apoiam a intervenção militar na Ucrânia. A atualização de maio da sondagem do Centro Yuri Levada, considerado um agente estrangeiro pelo Kremlin mas que continua em atividade no país, conclui que a taxa de aprovação se mantém estável desde o início da guerra.

Apenas 18% dos russos diz estar contra a guerra. As manifestações antiguerra são uma raridade e o medo de perseguição política apenas explica uma parte do fenómeno.

Anna Matveeva, investigadora do King's College, em Londres, explica que ""É tanto o medo como o sentimento de que é impossível mudar alguma coisa com os protestos, ou seja, que nos expomos a nós próprios e à nossa família a um enorme perigo, mas que, de qualquer forma, não conseguimos nada com isso."

Apesar do apoio à intervenção militar, 45% da população admite que não acompanha os acontecimentos na Ucrânia.

Denis Volkov, diretor do Centro Levada, justifica o elevado desinteresse:

"Para a maioria, o mais importante é que haja uma oportunidade de viver uma vida normal. Podemos desligar-nos das más notícias, podemos fingir que nada se passa. Embora, secretamente, as pessoas saibam disso, monitorizem-no de uma forma ou de outra e se preocupem com ele. Esse é um dos mecanismos de adaptação ao que se está a passar - fecharmo-nos às notícias traumáticas, porque foi muito traumático e continua a sê-lo para muitas pessoas, mesmo para as que apoiam a intervenção".

O desinteresse explica-se também pelo impacto da guerra no dia-a-dia da população, ou pela falta dele. Apesar das sanções, o Kremlin conseguiu manter a estabilidade económica e financeira no país e a maioria dos russos não é diretamente afetada pelo conflito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"

Putin substitui ministro da Defesa. Shoigu será secretário no Conselho de Segurança da Rússia

Putin reconduz Mishustin no cargo de primeiro-ministro da Rússia